BPA encontrado no plastico pode ser nocivo à saúde - Itiruçu Notícias
Arrow
Campanha Cores da Saúde



EDITORIAL

Reflexão do sofrimento superado pela Fé

As lágrimas escorrem como sangue de uma ferida, difícil de estancar.
As batidas do coração doem a cada pulsação.
O olhar que não encontra uma saída nem mesmo alguém que possa compreender, quando se está no chão.
Não há uma mão pra te levantar, mas várias para te empurra no abismo. Apagar a luz no fim do túnel com um sopro para que não enxergue a saída.
Mas com tua em fé em Deus, louvai, porque ele é bom
Em Salmos 107.06 diz “E clamaram ao Senhor na sua angústia, e os livrou das suas dificuldades.”
Pois Deus conhece as duas dores e os seus sofrimento .
Os retos o verão, e se alegrarão, e toda a maldade tapará a boca.
Quem é sábio observará estas coisas, e eles compreenderão as bondades do Senhor. Salmos 107:42,43 CONTINUE LENDO

COLUNISTAS



Coluna Joselito Fróes: Êta lê lê! : O Bar São Jorge

Existem certas relíquias que o tempo faz questão de perpetuar. Passa-se o tempo e a suas lembranças continuam vivas em nossos corações...


MAIS LIDAS DO MÊS


BPA encontrado no plastico pode ser nocivo à saúde

Por: Redação Itiruçu Notícias - sexta-feira, 16 de março de 2018 - 0 Comentários

Pesquisa colocar em duvida o uso do plástico para armazenamento de agua e alimentos


Um estudo da Universidade Politécnica do Estado da Califórnia sugere que o corpo absorve componentes presentes em materiais plásticos usados para armazenar alimentos, bebidas (refrigerantes, agua mineral etc) e produtos de higiene. 
A substância analisada na pesquisa, chamada bisfenol A (BPA), está no centro de uma controvérsia sobre seus efeitos na saúde. Alguns estudos sugerem que o BPA está associado ao desenvolvimento de obesidade, diabetes, infertilidade e algumas formas de câncer. Um levantamento da agência de vigilância epidemiológica dos Estados Unidos indica que 92% da população americana apresenta níveis de BPA na urina.
No novo estudo, os pesquisadores acompanharam 24 estudantes universitárias, divididas em dois grupos. Um deles recebeu apenas informações sobre as possíveis associações do BPA a doenças. O outro foi orientado a evitar o uso de embalagens plásticas e a dar preferência a recipientes plásticos que não contivessem a substância (eles costumam receber um selo de “BPA free”). Os dois grupos foram acompanhados por três semanas. As participantes fizeram exames de urina antes de começar e depois de terminar o estudo. Os pesquisadores concluíram que as voluntárias que haviam recebido orientações sobre como evitar o BPA no dia a dia tiveram uma redução de 50% de BPA na urina. As participantes do primeiro grupo, que só receberam informações sobre os possíveis efeitos do BPA, apresentaram aumento do componente na urina. Os pesquisadores não sabem explicar por que isso teria acontecido.

Por precaução, alguns países da Europa e das Américas proibiram o uso da substância na fabricação de mamadeiras, a fim de proteger crianças pequenas, consideradas as mais vulneráveis pelos especialistas.
No Brasil, a proibição, restrita à fabricação de mamadeiras, está vigente desde janeiro de 2012. “É preciso tomar cuidado não só com as mamadeiras e chupetas, mas também com o pratinho de comida e o brinquedinho que o bebê tem contato e põe na boca”, diz Tania Bachega, presidente da Comissão de Desreguladores Endócrinos da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia.

Pesquisas em laboratório mostraram que o BPA atua alterando a distribuição hormonal, bloqueando ou aumentando  a ação de um determinado hormônio. Em mulheres que têm predisposição para desenvolver câncer de mama, por exemplo, o BPA pode provocar a proliferação de células cancerígenas em razão do aumento de um hormônio feminino, o estrogênio. “Os dados em seres humanos são observacionais e não significam causa e efeito”, afirma Tood Hagobian, coautor do estudo recém-publicado.

Mas um novo estudo da organização sem fins lucrativos "Orb Media" turva essa associação entre pureza e água engarrafada. O primeiro estudo do tipo em escala mundial testou a presença de microplásticos em 11 marcas, adquiridas em 19 locais de nove países. O poluente foi encontrado em 93% das amostras, em quantidades que variavam enormemente.

Porém, ele ressalta que é necessário avançar mais com as pesquisas para abordar a "situação humana".
Segundo Leslie, recolher um conjunto grande de evidências é um processo longo, assim como foi com o cigarro e as mudanças climáticas.


Não se esqueça de ler isso também ...

Nenhum comentário:

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do Itiruçu Notícias; a responsabilidade é do autor da mensagem.

PARCEIROS



 photo GS-SOMgif_zpszfpbff8c.gif
 photo GS-SOMgif_zpszfpbff8c.gif