Arrow

Ouça nossa rádio aqui
Siga-nos some text some text some text some text some text some text Nosso Canal no You Tube

Ouça nossa rádio em seu celular ou tablet com Android ou no iPhone e iPads
some text some text some text


Estou com Covid-19, e agora? Médicos respondem o que fazer
A apreensão após o resultado positivo da Covid-19 gera muitas dúvidas em quem contraiu o vírus. A primeira delas é: e agora, o que fazer? É isso que apontam relatórios do Google Trends, ferramenta do site de pesquisa que mostra quais as buscas mais realizadas em cada região.
 
A plataforma exibe um aumento no número de pesquisas sobre o que fazer após o diagnóstico da doença. Apesar de não haver uma resposta única, pois os passos dependem de cada quadro clínico, médicos explicam que os pacientes liberados para o tratamento em casa, com casos leves, devem tomar precauções específicas, como detalha o médico Julival Ribeiro, membro da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI).

Estou com Covid-19, e agora?

“Se você tiver uma Covid leve, deve ficar em casa, isolado em um quarto, usando, se possível, um banheiro exclusivo para você. Se for sair do seu quarto, você tem que usar máscaras para não contaminar as outras pessoas. Uma das coisas mais importantes hoje é quem está com Covid observar como vai a evolução do seu caso. Imagine uma febre que não passe de jeito nenhum, pacientes às vezes que têm falta de ar, muito cansaço. Eles devem procurar uma unidade hospitalar. Até porque se recomenda, para algumas pessoas com coronavírus, usar o oxímetro e ver se a saturação está menor ou igual a 94% em ar ambiente.”
Covid leve:

  • Ficar em casa;
  • Isolar-se em um quarto;
  • Usar, se possível, um banheiro exclusivo para você;
  • Se for sair do seu quarto, use máscaras;
  • Apresentou piora? Procure uma unidade hospitalar.

O infectologista cita esses cuidados como básicos após o resultado positivo e a avaliação médica de que não é necessária a internação. Mesmo após o período dos 14 dias da contaminação, continua sendo preciso manter as recomendações dos órgãos de saúde, como a utilização de máscaras e o distanciamento social.

Programa Qualifica Mais reabre inscrições para processo seletivo
As inscrições para o processo seletivo do programa Qualifica Mais foram reabertas. A iniciativa voltada à empregabilidade de jovens é uma parceria entre o Ministério da Economia e o Ministério da Educação, para qualificar mais de 6 mil profissionais, atendendo às demandas do mercado de trabalho.

Os cursos ofertados são na área de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC), sendo eles: Programador Web, Programador de Dispositivos Móveis e Programador de Sistemas. Os interessados poderão se candidatar até o dia 25 de abril, e caso forem selecionados, receberão o e-mail de pré-matrícula no dia 29 de abril.

As aulas devem ter início a partir do dia 24 de maio. As inscrições devem ser feitas através do formulário online disponibilizado no site oficial do governo federal.


Em 1 ano de pandemia, o coronavírus infectou mais de 10 milhões de pessoas e matou mais de 250 mil no Brasil, de acordo com o Ministério da Saúde. Somente na Bahia foram 710.900 pessoas atingidas pela doença, em um ano do primeiro caso confirmado de covid-19 no estado, segundo a Diretoria de Vigilância Epidemiológica em Saúde da Bahia (Divep-BA). 

Pacientes com quadros mais graves de covid-19 apresentam como principal sintoma a falta de ar, podendo evoluir para insuficiência respiratória. Dos pacientes infectados, uma fração de 9.8 a 15.2% vai necessitar de ventilação mecânica invasiva ou, em menor proporção, membrana de oxigenação extracorpórea (ECMO).

A infectividade do SARS-CoV-2 é elevada, superando inclusive o H1N1 e SARS, ocorrendo sua transmissão por contato, gotículas e aerossóis. Por isso, há uma grande preocupação relacionada a qualquer procedimento capaz de gerar aerossóis, os quais normalmente se relacionam à manipulação das vias aéreas dos pacientes, como a intubação orotraqueal, traqueostomia, broncoscopia, ventilação com pressão positiva não invasiva e ventilação com máscara. A necessidade de suporte ventilatório costuma ser prolongada, em média 21 dias, portanto, muitos serão candidatos à traqueostomia, procedimento cirúrgico que consiste em promover a comunicação entre a traqueia e o meio externo.

O Especialista em Cirurgia Torácica Oncológica do Instituto Baiano de Cirurgia Robótica (IBCR), Dr. Pedro Leite, explica que a traqueostomia é realizada através de uma incisão no pescoço, em que após a abertura da traqueia é inserida uma cânula que permitirá a passagem do ar até os pulmões. O procedimento tem sido indicado em casos mais graves da infecção da covid-19 associados a longos períodos de internação em UTI e ventilação mecânica prolongada. 

“Entre os benefícios da traqueostomia estão o auxílio no desmame da ventilação mecânica, diminuindo o risco de pneumonia bacteriana, prevenção de complicações, associadas à intubação prolongada como estenose de traqueia, menor necessidade de sedação, maior conforto ao paciente e facilidade na manipulação e limpeza das vias aéreas”, informa. o especialista

De acordo com o especialista, a traqueostomia, de modo geral, é temporária, podendo ser utilizada por um período indefinido, sendo sua retirada dependente principalmente da resolução da causa de base. “Após a recuperação da função respiratória do paciente são realizados alguns testes clínicos para avaliar a possibilidade da retirada da cânula de traqueostomia. É muito importante que o paciente tenha um acompanhamento médico especializado regular tanto para seguimento e orientações dos cuidados básicos, como para o planejamento da retirada da traqueostomia”, esclarece Dr. Pedro Leite.

Riscos

Mesmo sendo um método seguro e de baixo risco, Dr. Pedro aponta os efeitos adversos da cirurgia. “Apesar de ser incomum, ela não está isenta de complicações como sangramentos e infecção local ou até mesmo problemas graves como lesão da traqueia e esôfago”, conta.

A estenose de traqueia aparece como mais um risco, quando os pacientes ficam internados com intubação orotraqueal por muito tempo. Mesmo aqueles submetidos à traqueostomia também não estão livres dessa possível complicação. Após receberem alta, os traqueostomizados devem manter os cuidados locais com a cânula. “É necessário realizar aspirações para a remoção de secreção, substituições de cânula periodicamente e inalação para ajudar a expectoração”, orienta o cirurgião torácico.

A traqueostomia também é uma das técnicas com mais risco de contaminação da COVID à equipe médica, por estar manipulando diretamente a via aérea do paciente. “Para aumentar a segurança, utilizamos os equipamentos de proteção individual como gorro, máscara, avental descartável, luvas, óculos, faceshield, bota e elmo, além de evitar o uso de bisturi elétrico, associado a maior dispersão de aerossóis, e uso de sedação e bloqueador neuromuscular, uma medicação venosa que evita a tosse do paciente durante o procedimento”, relata o cirurgião torácico.

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) alterou a Diretriz de Utilização (DUT) para realização do exame Pesquisa por RT-PCR, utilizado para o diagnóstico da Covid-19. Desde a entrada em vigor do novo Rol de Procedimentos, no dia 01/04, as solicitações médicas que atendam às condições estabelecidas na DUT devem ser autorizadas pelas operadoras de planos de saúde de forma imediata. A medida busca agilizar a realização desse tipo de exame, considerado o mais eficaz para identificar e confirmar o vírus da Covid-19 no início da doença.    

Até então, a diretriz para realização do exame não tinha essa exigência. Com isso, os planos de saúde poderiam demorar até três dias úteis para garantir o atendimento.
O exame RT-PCR tem cobertura obrigatória para os beneficiários de planos de saúde na segmentação ambulatorial, hospitalar ou referência.

Além do RT-PCR, os planos de saúde também são obrigados a cobrir os testes sorológicos, ou seja, aqueles que detectam a presença de anticorpos produzidos pelo organismo após a exposição ao novo Coronavírus.

Plano Amazônia prever fiscalização e combate ao desmatamento ilegal
O Plano Amazônia, que vai assumir as ações que eram desenvolvidas pela Operação Verde Brasil 2, foi publicado pelo governo federal nesta quinta-feira, no Diário Oficial da União.

O Plano estabelece diretrizes para ações de fiscalização e combate ao desmatamento ilegal, queimadas e outros crimes ambientais e fundiários cometidos na região da Amazônia Legal.

Assim como a Operação Verde Brasil, o Plano Amazônia será coordenado pelo Conselho Nacional da Amazônia Legal, que é presidido pelo vice-presidente da República, Hamilton Mourão.



Mata Atlântica é o bioma com a maior captação de água
A Mata Atlântica é o bioma com a maior captação de água do país, com destaque para o abastecimento urbano. O dado é do estudo Contas de Ecossistemas: Condição dos Corpos Hídricos, divulgado nesta quinta-feira, no Rio de Janeiro, pelo IBGE, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

Em 2010, a Mata Atlântica representava quarenta e dois por cento da retirada de água do país.  Em 2017, o número passou para trinta e nove por cento.

A segunda maior captação observada foi no Cerrado e, em terceiro lugar, vem o Pampa, que tem grande participação na agricultura irrigada no país, com destaque para o cultivo de arroz.


Trabalhadores da educação serão vacinados contra a Covid-19
Está garantida a prioridade na vacinação contra a Covid-19 para trabalhadores da educação a partir dos 55 anos, desde que estejam na ativa. A decisão está publicada no Diário Oficial do Estado desta quinta-feira (15), conforme deliberação da Comissão Intergestores Bipartite (CIB) da Bahia, que é uma instância do Sistema Único de Saúde (SUS) e reúne os 417 municípios e o estado.  

Nas redes sociais, o governador Rui Costa ressaltou que “o cronograma de vacinação será estabelecido pelos municípios e depende da chegada de mais vacinas. Por isso tenho cobrado celeridade do Governo Federal. Por isso garantimos a Sputnik V e estamos lutando para que a Anvisa autorize a importação da vacina russa. Queremos salvar vidas”.

O secretário da Educação do Estado, Jerônimo Rodrigues, falou sobre a decisão. "Sabemos dos esforços do Governo da Bahia para acelerar a vacinação para todos os baianos e com alegria que recebemos esta deliberação  da Comissão Intergestores Bipartite (CIB) da Bahia, para o início da vacinação dos trabalhadores da Educação, para que possamos avançar no nosso planejamento de volta às aulas presenciais", afirmou.

Ao todo, o público-alvo da área de educação contempla 222 mil trabalhadores que serão vacinados de forma escalonada. É importante ressaltar que antes de iniciar a vacinação desse grupo, os municípios devem finalizar a etapa de vacinação dos idosos com mais de 60 anos e demais grupos pactuados anteriormente.

No que se refere as forças de segurança e salvamento da Bahia, que incluem policiais federais, militares, civis, bombeiros e guardas municipais, o secretário de Saúde do Estado da Bahia, Fábio Vilas-Boas, destaca que “os municípios que finalizarem a etapa de 50 a 59 anos poderão avançar para o grupo de 45 a 49 anos”.  

A Bahia é um dos estados do País com o maior número de imunizados. “Devemos alcançar hoje 2 milhões de baianos vacinados com a primeira dose da vacina, o que representa uma esperança para a sociedade, mas é preciso que o Governo Federal envie doses em quantidade suficiente para manter o acelerado ritmo de vacinação que nos encontramos”, avalia Vilas-Boas.
Web Rádio do Blog Itiruçu Notícias com transmissão utilizando a tecnologia streaming. Web Rádio Itirussu, conectada com você!
   
Baixe aqui app Web Rádio Itirussu


ACOMPANHE NOSSAS REDES SOCIAIS


PUBLICIDADE