Notícias do Vale

Notícias da Bahia

Noticias do Brasil

Opinião & Notícias

Assista aos nossos principais vídeos

Os números finais da melhor campanha do Brasil na história dos Jogos Parapan-Americanos

Os números finais da melhor campanha do Brasil na história dos Jogos Parapan-Americanos
O Brasil se despediu dos Jogos Parapan-Americanos de Santiago neste domingo, 26/11, com muito a comemorar. O país somou inéditas 343 medalhas no Chile, sendo 156 ouros, 98 pratas e 89 bronzes. O resultado garantiu a melhor campanha do país em todos os tempos, superando tanto os recordes de ouros quanto o de pódios, que pertenciam à edição de Lima 2019, com 124 medalhas douradas e 308 no total.

Soberano no topo do quadro geral desde o primeiro dia, o Brasil terminou muito à frente do segundo colocado, os Estados Unidos, que somaram 166 medalhas (55 ouros, 58 pratas e 53 bronzes). Colômbia, México e Argentina completaram os cinco primeiros. Desde a edição de 2007, disputada no Rio de Janeiro, o Brasil termina o Parapan em primeiro no quadro de medalhas, e sempre com viés de ampliar o domínio.

Das 343 medalhas conquistadas pelo Brasil em Santiago, 335 tiveram a digital do Bolsa Atleta do Governo Federal. Ou seja, contaram com a participação de pelo menos um bolsista do programa de patrocínio individual do Ministério do Esporte. Isso significa 97,66% do total. A delegação em Santiago contou com 339 atletas, incluindo goleiros do futebol de cegos, calheiros da bocha, pilotos e atletas-guia. Do total, 292 são apoiados pelo Bolsa Atleta, ou 86,72%.

Das 17 modalidades em disputa, o Brasil terminou em primeiro no quadro de medalhas de 10: atletismo, natação, bocha, judô, badminton, taekwondo, tênis de mesa e halterofilismo, além de ter sido campeão no futebol para cegos e no futebol PC, para atletas com paralisia cerebral. No goalball, a seleção masculina foi ouro e a feminina, bronze, empatando assim com o Canadá, que ganhou no feminino e levou bronze no masculino.

É um resultado extraordinário, que comprova mais uma vez a força dos atletas brasileiros do paradesporto e a excelência do trabalho que vem sendo feito em conjunto com o Comitê Paralímpico Brasileiro”

“É um resultado extraordinário, que comprova mais uma vez a força dos atletas brasileiros do paradesporto e a excelência do trabalho que vem sendo feito em conjunto com o CPB. Vamos trabalhar ainda mais para garantir estrutura aos atletas em todo o país e manter o Brasil como maior potência das Américas”, disse o ministro do Esporte, André Fufuca ministro do Esporte.

O presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), Mizael Conrado, festejou a campanha histórica e lembrou que 40% dos atletas da delegação brasileira no Chile disputaram os Jogos Parapan-Americanos pela primeira vez.  

“A gente sabia que era um grande desafio fazer uma campanha melhor que Lima, mas os atletas mais uma vez superaram todas as marcas. A gente teve uma participação muito importante aqui com atletas novo. Foram mais de 100 medalhas conquistadas por atletas jovens. Uma competição espetacular. A gente sai orgulhoso e emocionado”, avaliou Mizael.

Para Mizael, o apoio do Bolsa Atleta, incentivo que é pago diretamente aos esportistas, é fundamental na preparação, permitindo que se dediquem somente aos treinos. “O Bolsa Atleta é fundamental. É um divisor de águas para o desenvolvimento do esporte no Brasil. Permitiu que muitos pudessem se dedicar exclusivamente ao esporte, como uma profissão, o que não acontecia antigamente. Então, eu diria que certamente, se não fosse pelo Bolsa Atleta, os resultados não seriam esses”, afirmou o presidente do CPB.
Na noite deste domingo, às 20h30, na Vila dos Atletas, acontece a Cerimônia de Encerramento da competição em Santiago. O porta-bandeira do Brasil será o atleta paulista do taekwondo Nathan Torquato, que conquistou a medalha de ouro na categoria até 63kg. “É com muita felicidade que vim aqui dizer para vocês que fui escolhido como porta-bandeira da cerimônia de encerramento. É uma alegria muito grande. É até difícil descrever a emoção que isso me proporciona, estar representando um país inteiro, todos os atletas paralímpicos”, disse Nathan Torquato, 22, que nasceu com uma má-formação no braço esquerdo.

Foto: Marcello Zambrana/CPB

Itiruçu Notícias

Aqui a notícia é fato!

Nenhum comentário:

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Itiruçu Notícias. É vetada a postagem de conteúdos que violem a lei e/ ou direitos de terceiros. Comentários postados que não respeitem os critérios, podem ser removidos sem prévia notificação.

OUÇAWEB RÁDIO ITIRUSSU

Notícias de Itiruçu

Ocorrência Policial

Notícias do Esporte

Anúncios




Redes Sociais

Outras redes Sociais:

Instragam

Twitter