Cassado, Cunha continuará sendo uma assombração - Itiruçu Notícias
Arrow
Exerça sua cidadania



Passeio Cicloturismo de Itiruçu



EDITORIAL

Refletindo: A verdadeira política do verdadeiro cristão

O Evangelho é o caminho da verdade e da vida eterna, a política é o caminho do cidadão onde interfere diretamente na sua vida terrena (ALIMENTAÇÃO, MORADIA, SAUDE, EDUCAÇÃO, ESPORTE LAZER ETC.)
O Evangelho busca a paz espiritual, quanto à política favorece ou dificulta à vida da comunidade, porém um povo evangelizado com certeza a política só faz favorecer, pois a comunidade sabe o que é o melhor para ela.
A política não se reúne em atividades partidárias, eleições, lideres etc. e sim em um conjunto de atividades que o cidadão deve sentir com o seu dever e direito de estar presente, compromisso da realidade social, não pregando discórdia e sim a união porque o cristianismo deve evangelizar na totalidade da existência humana, inclusive na dimensão da política.

COLUNISTAS



Coluna Joselito Fróes: Êta lê lê! : O Bar São Jorge

Existem certas relíquias que o tempo faz questão de perpetuar. Passa-se o tempo e a suas lembranças continuam vivas em nossos corações...


MAIS LIDAS DO MÊS


Cassado, Cunha continuará sendo uma assombração

Por: Itiruçu Notícias - terça-feira, 13 de setembro de 2016 - 0 Comentários


Eduardo Cunha perdeu o mandato e os direitos políticos, mas não foi abatido e desarmado. Pelo contrário, o que não lhe falta é munição contra os que considera inimigos (PT) e traidores (sua antiga base parlamentar e o governo Temer). 
Com 450 votos a favor, 10 contrários e 9 abstenções, a Câmara cassou na noite desta  segunda-feira (12) o mandato do deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ), interrompendo a trajetória política de quase 25 anos daquele que se celebrizou como o principal algoz de Dilma Rousseff no processo de impeachment. Com uma carreira construída nas sombras do poder e que ganhou os holofotes nacionais desde que assumiu a presidência da Câmara, no ano passado, Cunha, que colecionou inimigos na vida política e ontem se viu abandonado por praticamente todos os partidos, passará agora a enfrentar o seu mais temido adversário: o juiz Sérgio Moro, da Justiça Federal do Paraná. Com a decisão da Câmara, Eduardo Cunha fica inelegível até 2027.

Se o sistema político que pariu Cunha não for mudado por reformas corajosas, outros Cunha virão. Já o Governo, embora dizendo-se aliviado com o despacho de um aliado que o constrangia com cobranças e ameaças, sabe que novos capítulos ainda serão escritos nesta história. Talvez não no livro que Cunha promete publicar, mas nos anais da Lava Jato.

E ainda tem o bloco de deputados aliados que, de quase 200, minguou para meros 61 (entre votos contra a cassação, abstenções e ausências). Eles foram os grande traidores de Cunha. Foram eles que, em troca de favores inomináveis, e até mesmo do financiamento de suas campanhas eleitorais com doações de Cunha, para quem dinheiro há muitos anos não é problema, pavimentaram sua ascensão. O “centrão” congrega deputados de vários partidos e uma parte da bancada peemedebista, que o elegeu líder do partido na Câmara no primeiro governo Dilma, dando início ao que ela chama de “inclinação do PMDB à direita”. Foram eles que lhe garantiram votos para aprovar projetos e MPs recheadas de penduricalhos negociados com grandes empresas e bancos. Foram eles que o elegeram presidente da Câmara em 2015, dando início à crise na aliança PT-PMDB que, desde Lula, garantia a estabilidade política dos governos petistas. Pelo menos com alguns, os que mais lhe deviam e o traíram, haverá acerto de contas.

O livro, talvez o autor não tenha tempo de escrever, pelo menos em liberdade. É altamente provável que Cunha seja preso e enviado para Curitiba. Ali, mesmo quem sinceramente renega as delações, capitula diante da possibilidade de reduzir as penas. Vide Marcelo Odebrecht. A delação de Cunha será muito mais interessante do que qualquer livro que ele venha a escrever. E aí haverá para todo mundo.

Portanto, devagar com o andor. A cassação de Cunha não representa o fim de suas práticas na política nem a remoção da espada que ele mantém suspensa sobre adversários e ex-aliados. Estes últimos, estando no poder, têm muito mais a perder. O PT já está purgando seus pecados, já pagou o maior preço, que foi a derrubada com violência política. Para os pares do novo reino, que viram na cassação de Cunha um atenuante para o golpe, agora começa um novo capítulo tendo Cunha no papel de bruxo vingador.
Informações Tereza Cruvinel Colunista do Brasil 247


Não se esqueça de ler isso também ...

Nenhum comentário:

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do Itiruçu Notícias; a responsabilidade é do autor da mensagem.

PARCEIROS



 photo GS-SOMgif_zpszfpbff8c.gif
 photo GS-SOMgif_zpszfpbff8c.gif

Campanha de Doação