Ex-mulher de Bolsonaro disse ter sido ameaçada de morte - Itiruçu Notícias - Itiruçu e Região conectados com a informação
Arrow

NOTÍCIA EM DESTAQUE

Motorista alcoolizado que provoca morte. Qual a punição?

O comportamento do brasileiro no trânsito encontra-se longe do recomendável. O número de motoristas que dirigem alcoolizados, inclusive...

Histórias que o Povo Conta

A história que o povo conta; O Retratista

Paulo Borges de Oliveira, natural de Castro Alves – BA, nascido em 18/11/1918, chegou em Itiruçu –BA, em 1950, foi comerciante juntamente com seu irmão Otávio (já falecido), na antiga rua da Lancha, hoje Moisés Almeida, mas, anos depois dedicou – se inteiramente a profissão de fotógrafo.
CONTINUE LENDO

EDITORIAL

A Ganância e a Discórdia a felicidade dos invejosos

Aquele que semeia a discórdia é terrível. Não gosta de ver a paz reinar em canto algum, parece que se agonia com isso.

Qual o objetivo das pessoas que agem desta forma? Será que essa atitude provoca prazer em determinadas pessoas? Ou seria o ego de pessoas invejosas que se sentem felizes provocando infelicidades.

Fazendo minhas análises sobre certas atitudes humanas percebi que pessoas infelizes são as que mais disseminam discórdias e a maior delas sempre está relacionada com algum tipo de fofoca raivosa.

Aquela que numa simples palavra já se percebe o rancor interior de quem fez. E se estivermos perto de quem fez a fofoca raivosa nota-se no semblante da pessoa um certo alívio pela maldade que provocou ou até um sorriso nos lábios achando-se vitorioso...CONTINUE LENDO


MAIS LIDAS DO MÊS


Ex-mulher de Bolsonaro disse ter sido ameaçada de morte

Por: Redação Itiruçu Notícias - quarta-feira, 26 de setembro de 2018 - 0 Comentários

 Ex-mulher afirmou ao Itamaraty que sofreu ameaça de morte de Bolsonaro. diz Jornal



Reportagem da Folha de S. Paulo publicada nesta terça-feira 25 revela que Ana Cristina Valle, ex-mulher de Jair Bolsonaro, afirmou ao Itamaraty em 2011 ter sofrido uma ameaça de morte do candidato do PSL à Presidência, o que a teria levado a deixar o País. O jornal teve acesso ao documento. Procurada pelo veículo, Ana Cristina negou que o relato seja real.

A Folha havia publicado matéria no sábado 22 sobre Bolsonaro ter mobilizado o Itamaraty para descobrir o paradeiro de Ana Cristina nahttps://www36.bb.com.br/portalbb/pasep/pesquisa,802,17,505134,2,0,1.bbx?_ga=2.253588683.377835826.1528978038-1283440090.1528978038 Noruega. Segundo o jornal, Bolsonaro havia ficado inconformado com a viagem feita à sua revelia.
Na reportagem desta terça 25, o veículo afirmou ter apurado com fontes e com o então embaixador, Carlos Henrique Cardim, que trechos originalmente cobertos por tarja preta no telegrama referiam-se à ameaça de morte.

"A senhora Ana Cristina Siqueira Valle disse ter deixado o Brasil há dois anos (em 2009) ‘por ter sido ameaçada de morte’ pelo pai do menor (Bolsonaro). Aduziu ela que tal acusação poderia motivar pedido de asilo político neste país (Noruega)”, diz o telegrama, segundo a Folha.
O episódio se passou em julho de 2011, quando Ana Cristina, que tem a guarda de jair Renan, de cerca de 12 anos de idade, embarcou com o menino para Oslo.

À Folha, Ana Cristina afirmou no sábado 22 que Bolsonaro não queria "nem que o menino passasse férias comigo lá". Ela disse na ocasião que trata-se de um episódio "superado". "Foi uma pressão que fez. Mas é uma questão de pai, de foro íntimo, entendeu, de família mesmo. Eu achava que ele nem deveria ter feito isso, mas se ele fez... E depois acabou tudo bem, ele tirou a ação e ficou tudo bem.”
Procurada novamente pelo jornal nesta terça-feira 25, Ana Cristina disse, segundo a publicação, que “não falou com nenhum cônsul ou vice” e disse não ter nada a dizer sobre o assunto. Questionada se houve ameaças de morte de Bolsonaro contra ela por volta de 2009, ela respondeu que havia conversado com seu marido norueguês e ele “falou que não disse nada disso”.


Não se esqueça de ler isso também ...

Nenhum comentário:

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do Itiruçu Notícias; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Colaboradores