Notícias do Vale

Notícias da Bahia

Noticias do Brasil

Opinião & Notícias

Audios & Vídeos

O candidato a governador da Bahia, ex-ministro da Cidadania e deputado federal, João Roma (PL), disse que o ex-prefeito de Salvador e pré-candidato do União Brasil ao governo, ACM Neto, “deixou de ser prefeito, mas a prefeitura não saiu dele” e que, por conta disso, o atual prefeito da capital, Bruno Reis, tem sido submisso à figura do ex-gestor.

“O ex-prefeito de Salvador ACM Neto deixou de ser prefeito, mas a prefeitura não saiu dele. E ele tem usado a prefeitura para os seus projetos políticos, inclusive sufocando a gestão de Bruno Reis, que tem sido submisso à figura do ACM Neto desde sempre”, disse João Roma, em entrevista a Adelson Carvalho, na Rádio Sociedade da Bahia, na manhã desta segunda-feira (25/07/20222).

O ex-ministro da Cidadania comentou que o prefeito não deixou a posição de ser assessor de ACM Neto, “inclusive atuando junto a prefeituras do interior, fazendo eventos políticos”. Ao ser questionado se isto não seria normal, Roma destacou que “ele [Bruno Reis], na administração, tem sido completamente submisso. Isso não o está deixando aflorar como prefeito. Ele não assumiu, não chamou para si a liderança enquanto prefeito de Salvador”.

Na opinião de Roma, o uso da gestão da capital pelo ex-prefeito ACM Neto para atender a interesses políticos prejudica a qualidade dos serviços oferecidos à população. O candidato do PL disse ainda que Neto não assume lado na disputa nacional e quer pegar votos de um lado e do outro. “Ele diz que é contra o presidente Bolsonaro, e a gente viu na imprensa que ele foi procurar até o José Dirceu para fazer entendimento com o PT”, declarou Roma.

O deputado federal ressaltou que, na política, é preciso ser bússola. “Você pode até não saber para onde rumar, mas tem que saber exatamente pra onde não ir, com quem não ir. Eu não estarei ao lado do PT. Já ACM Neto fica ciscando pra todos os lados”, criticou João Roma.

O ex-prefeito do municipio de  Itabuna no sul da Bahia,  Fernando Gomes de Oliveira, de 83 anos morreu na tarde deste domingo (24), em Salvador. Ele estava internado no Hospital Aliança, na capital baiana desde a semana passada, após ter uma crise hepática causada por medicamentos usados para amenizar dores na lombar. Segundo familiares de Fernando Gomes, o ex-prefeito passou por uma desintoxicação após ser internado. 

Neste domingo, em nota enviada por volta das 14h, a família havia informado que houve a necessidade de intervenção cirúrgica para conter o avanço de uma bactéria. No entanto, por volta das 16h, o político foi a óbito.

O ex-prefeito ficou conhecido em todo Brasil no início de julho de 2020, em um anúncio nas redes sociais, sobre as ações municipais referentes ao comércio durante a pandemia do novo coronavírus, o então prefeito Fernando Gomes fez um comentário que causou polêmica.

Gomes declarou que autorizaria que estabelecimentos comercias reabrissem "morra quem morrer". Ainda no mesmo período, o ex-gestor afirmou que não houve "descaso" com vítimas da Covid-19 ao dar a declaração polêmica.

O corpo de Gomes deve ser levado para Itabuna, onde será sepultado. O local do velório e horário do sepultamento ainda não foram divulgados. Ele deixa viúva e filhos.

O governador da Bahia, Rui Costa, e o prefeito de Itabuna, Augusto Castro, decretaram luto de três dias na Bahia e em Itabuna respectivamente.

"Quero manifestar meu pesar pela morte do ex-prefeito de Itabuna e ex-deputado federal, Fernando Gomes. Que Deus conforte seus familiares, amigos e itabunenses. Está decretado luto oficial na Bahia por 3 dias". declarou Rui Costa, Governador da Bahia

"Decretei luto oficial por três dias em memória do ex-prefeito Fernando Gomes Oliveira, cuja trajetória política e administrativa é por todos reconhecida. Que descanse em paz", afirmou Augusto Castro, prefeito de Itabuna

O ex-prefeito Fernando Gomes, da cidade de Itabuna, no sul da Bahia, estava sendo velado na Sala Principal do Teatro Municipal Candinha Doria, na manhã desta segunda-feira (25). O corpo saiu do aeroporto de Ilhéus, na mesma região, em cortejo em um carro do Corpo de e Bombeiros.

Já em Itabuna, o cortejo percorreu as principais vias do bairro e foi aplaudido por moradores em vários pontos da cidade. O corpo de Fernando Gomes será velado durante toda esta segunda-feira, em cerimônia aberta. O ex-prefeito será sepultado na terça-feira (26).





O Cidadania, que apoia Simone Tebet (MDB) na disputa pela Presidência, cobrou do Congresso a abertura de um processo de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro (PL). Em nota divulgada nesta terça-feira, 19, o partido argumenta que o presidente “perdeu qualquer compostura que ainda pudesse ter pelo cargo que ocupa” após as acusações contra o sistema eleitoral em reunião com embaixadores estrangeiros nesta segunda, 18.

“As urnas eletrônicas que deram a ele e a seus filhos diversos mandatos tirarão de Bolsonaro em outubro não apenas o cargo, mas o foro especial por prerrogativa de função. E o poder e a influência que hoje detém sobre os órgãos de controle. Mas isso não exime o Congresso Nacional de cumprir o seu papel e abrir um processo de impeachment”, afirma o texto, assinado pelo presidente nacional da sigla, o ex-deputado e ex-senador Roberto Freire.

Ex-vice-presidente da Câmara, o deputado federal Marcelo Ramos (PSD-AM) chamou a apresentação de Bolsonaro de “patética” e afirmou que o silêncio de Arthur Lira é “mais ensurdecedor” do que o dos embaixadores que participaram do evento. “Ao posto de Presidente da Câmara não é dado o direito de escolher o silêncio cúmplice”, escreveu, em sua conta no Twitter.

Outro parlamentar a cobrar Lira publicamente, nesta terça, foi o deputado federal Túlio Gadêlha (Rede-PE). “O presidente da Câmara precisa se manifestar diante das mentiras de Bolsonaro sobre as urnas eletrônicas e as ameaças à democracia, ontem, diante de embaixadores de diversos países”, escreveu, também no Twitter.

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), divulgou nota ainda nesta segunda-feira reafirmando que “a segurança do processo eleitoral não pode ser questionada” - mas não citou a possibilidade de processo de impeachment. Outros parlamentares apontaram crime de responsabilidade e já encaminharam ação ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra o presidente da República. O grupo que assina o documento reúne integrantes do PT, PSOL, PCdoB, Rede, PSB e PV.

O Congresso entrou em recesso nesta segunda-feira, 18, pelas próximas duas semanas. A partir desta quarta-feira, 20, começa o prazo em que as convenções partidárias podem ser convocadas para oficializar candidaturas à Presidência, Senado, Câmara e governos estaduais.

Um dia após o presidente Jair Bolsonaro (PL) apresentar teorias da conspiração sobre urnas eletrônicas a embaixadores estrangeiros, o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Luiz Fux, repudiou nesta terça-feira (19) tentativas de questionamento do processo eleitoral.

"Em nome do STF, o ministro Fux repudiou que, a cerca de 70 dias das eleições, haja tentativa de se colocar em xeque mediante a comunidade internacional o processo eleitoral e as urnas eletrônicas, que têm garantido a democracia brasileira nas últimas décadas", diz nota divulgada pela assessoria do Supremo, sem citar nominalmente o presidente da República.

A fala de Fux foi feita em reunião por videoconferência com o ministro do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Edson Fachin, que também é integrante do Supremo.

De acordo com o STF, os dois conversaram sobre os ataques ao Poder Judiciário e ao processo eleitoral brasileiro.

"A Fachin, o Ministro Fux reiterou confiança total na higidez do processo eleitoral e na integridade dos juízes que compõem o TSE", informou o Supremo.

Aos embaixadores, nesta segunda (18), Bolsonaro tentou desacreditar o sistema eleitoral, promoveu novas ameaças golpistas e atacou ministros do STF.

O chefe do Executivo concentrou suas críticas nos ministros Alexandre de Moraes, Edson Fachin e Luís Roberto Barroso. Fachin é o atual presidente do TSE. Barroso presidiu a corte eleitoral, e Moraes deve comandar o tribunal durante as eleições.

O mandatário acusou o grupo de querer trazer instabilidade ao país, por desconsiderar as sugestões das Forças Armadas para modificações no sistema, a menos de três meses da disputa.

"Por que um grupo de três pessoas apenas quer trazer instabilidade para o nosso país, não aceita nada das sugestões das Forças Armadas, que foram convidadas?", disse.

Em mais de um momento, Bolsonaro tentou desacreditar os ministros, relacionando especialmente Fachin e Barroso ao PT e ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

O petista lidera as pesquisas de intenção de voto, a menos de 80 dias do pleito. Bolsonaro está em segundo lugar, com 19 pontos de diferença, segundo o Datafolha.

O YouTube derrubou na segunda-feira (18) uma live de julho de 2021 em que o presidente Jair Bolsonaro (PL) faz conspirações e afirmações infundadas sobre a segurança das urnas eletrônicas.

O conteúdo da live derrubada embasou parte do que foi apresentado no evento desta segunda-feira (18) com embaixadores. A empresa também avalia se vai manter no ar a transmissão desta segunda.

Procurado, o YouTube ainda não se manifestou. Desde março, a plataforma de vídeos do Google tem uma política que garante a remoção de conteúdos que contenham alegações falsas de fraudes, erros ou problemas técnicos na eleição de 2018.

Nesta segunda, Bolsonaro fez uma apresentação a dezenas de embaixadores estrangeiros no Palácio da Alvorada para repetir teorias da conspiração sobre urnas eletrônicas, desacreditar o sistema eleitoral, promover novas ameaças golpistas e atacar ministros do STF (Supremo Tribunal Federal).

O chefe do Executivo concentrou suas críticas nos ministros Alexandre de Moraes, Edson Fachin e Luís Roberto Barroso. 

Fachin é o atual presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Barroso presidiu a corte eleitoral, e Moraes deve comandar o tribunal durante as eleições.

Em mais de um momento, Bolsonaro tentou desacreditar os ministros, relacionando especialmente Fachin e Barroso ao PT e ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Lula lidera as pesquisas de intenção de voto, a menos de 80 dias do pleito. Bolsonaro está em segundo lugar, com 19 pontos de diferença, segundo o Datafolha.

Na fala aos embaixadores, Bolsonaro adotou um tom manso, como se buscasse dar um verniz de seriedade a mais um punhado de ilações sem provas ou indícios ao sistema eleitoral, no momento em que aparece distante do ex-presidente Lula nas pesquisas de intenção de voto.

No Brasil, nunca houve registro de fraude nas urnas eletrônicas, em uso desde 1996.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) participou de ato em Garanhuns, que fica a 230 km de Recife, nesta quarta-feira (20) e afirmou que o presidente Jair Bolsonaro (PL) está atacando as urnas eletrônicas e o processo eleitoral porque sabe que irá perder as eleições em outubro.

"Ele já sabe que vai perder as eleições e está aí inventando mentira contra urnas. Ele foi eleito todas as vezes por urna eletrônica. Ele está querendo criar caso, está desconfiando das urnas, mas no fundo ele não quer que o povo trabalhador desse país vote", afirmou Lula.

"Se tem uma vez que a urna eletrônica permitiu que o roubo prevalecesse foi em 2018 quando ele ganhou por conta das fake news", continuou o petista.

Lula estava acompanhado do seu vice na chapa, o ex-governador Geraldo Alckmin (PSB), do governador Paulo Câmara (PSB), do pré-candidato a governador do PSB, deputado federal Danilo Cabral, e da pré-candidata a senadora da chapa, a deputada estadual Teresa Leitão (PT).

Em seu discurso, Alckmin agradeceu a Garanhuns por ter dado ao Brasil o ex-presidente Lula, "estadista que não é fruto da herança política nem da fortuna pessoal, mas da luta do povo".

Alckmin também citou o ex-governador Eduardo Campos, morto em acidente de avião em 2014. "Quero fazer uma homenagem aquele que foi meu colega como governador, o saudoso e querido Eduardo Campos que a vida levou tão jovem. Ele nos dizia para não desistir do Brasil. Política é esperança", afirmou.

Entre os espectadores havia indígenas e integrantes de movimentos sociais e de partidos políticos, além de apoiadores de Lula e do PT. Do lado de fora do espaço de eventos, trabalhadores informais vendiam toalhas, camisas e bandeiras alusivas a Lula e ao PT.

Antes do ato público, Lula visitou uma réplica da casa onde nasceu na zona rural de Caetés, no agreste de Pernambuco. Quando o ex-presidente nasceu, a cidade pertencia a Garanhuns, cidade vizinha.

Na casa, Lula estava acompanhado de aliados locais e de Alckmin. Eles gravaram imagens no local para a propaganda eleitoral de rádio e televisão, que começa a ser exibida no final de agosto. O petista também plantou uma árvore no terreno.

Na tarde desta quarta, Lula estve em Serra Talhada, no Sertão, a 415 quilômetros do Recife, onde fez um comício. O município de 87 mil habitantes é governado pelo PT há dez anos.

Lula ficará em Pernambuco até a quinta (21), mesmo dia em que, em São Paulo e sem a sua presença, será realizada a convenção que oficializará a candidatura do petista.

No mesmo dia, já com status de candidato a presidente, Lula terá um encontro com representantes da cultura de Pernambuco no Teatro do Parque, no Centro do Recife, pela manhã. À tarde, o petista fará um ato aberto ao público em uma casa de eventos de Olinda, na Região Metropolitana da capital.

O Ministério da Defesa afirmou que a proposta de levar uma “votação paralela” para as seções eleitorais em 2 de outubro, como forma de melhorar a testagem de segurança das urnas eletrônicas, não vai exigir que eleitores votem também à mão em cédulas de papel e numa segunda urna, exclusiva para testes. A informação contradiz o próprio ministro da Defesa, general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira.

Em audiência pública no Senado, o ministro afirmou na quinta-feira, dia 14, que tanto eleitores quanto funcionários da Justiça Eleitoral poderiam, participando do procedimento de segurança sugerido pela pasta, registrar votos à mão, em cédulas de papel, para conferência com o boletim de uma urna-teste.

“No teste de integridade, no dia da votação, há um voto na mão. É aquele elemento que faz ali - ou é um servidor do TSE, ou, se atenderem a nossa demanda, é um eleitor - à mão, que testa a urna e que confere se o que ele fez à mão é o que saiu na urna”, disse o general, depois de o Estadão publicar detalhes sobre o modelo de teste de integridade sugerido pelas Forças Armadas.

Auxiliares do ministro disseram à reportagem que o general Paulo Sérgio, embora tenha falado sobre voto à mão e na urna, queria se referir somente ao uso de biometria pelos eleitores. A assessoria do ministro esclareceu que apenas funcionários da própria Justiça Eleitoral participariam da votação paralela. Nesse sentido, o esquema proposto pela Defesa repetiria parte do que já ocorre desde 2002, em testagens públicas das urnas, conduzidas pelo Tribunal Superior Eleitoral. O formato, no entanto, é diferente do que sugerem os militares.

OUÇAWEB RÁDIO ITIRUSSU

Notícias de Itiruçu

Anúncios


Notícias do Esporte

Instagram

Facebook