Ex-prefeito pode ter pena ampliada por improbidade - Itiruçu Notícias
Arrow
MENSAGEM DE ANO NOVO

Campanha

EDITORIAL

Viajando no tempo: do Jornal Itiruçu, evoluindo até o Itiruçu Notícias


O tempo urge e as memórias ficam, para revela a sua história. Recebi do amigo poeta Claudio Fernandes uma lembrança dos primeiros passos na área da informação. Na época não tinha internet, blogs, redes sociais, sites muito mesmo WhatsApp, mas já naquela época dávamos os primeiros passos na área da comunicação escrita. CONTINUE LENDO

COLUNISTAS

Coluna Joselito Fróes: Êta lê lê! : O Bar São Jorge

Existem certas relíquias que o tempo faz questão de perpetuar. Passa-se o tempo e a suas lembranças continuam vivas em nossos corações...


MAIS LIDAS EM 2017


Ex-prefeito pode ter pena ampliada por improbidade

Por: Itiruçu Notícias - - sábado, 19 de março de 2016 - 0 Comentários

O Ministério Público Federal (MPF) em Campo Formoso/BA recorreu, na última sexta-feira, 4 de março, para a ampliação da sentença que condenou o ex-prefeito da cidade, Francisco Nascimento, e o procurador do município à época, Cândido Peralva Filho, por improbidade administrativa. Além da suspensão dos direitos políticos, proibição de contratar com o poder público, devolução do dinheiro público e pagamento de multa civil, já obtidos por meio de ação do MPF, o órgão quer a perda de cargo público que ambos exerçam ou venham a exercer.

Em maio do ano passado, a Justiça Federal condenou Nascimento e Peralva Filho por fraude em licitações referentes à execução de ações sociais do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (Peti). Eles foram sentenciado a ressarcir os cofres públicos em R$53.436,50, tiveram seus direitos políticos suspensos por oito anos e foram proibidos de contratar com o poder público por cinco. Também foram condenados a pagar multa civil no valor de R$50 mil, mas não foram sentenciados à perda de função pública.

De acordo com a apelação, de autoria do procurador da República Elton Luiz Freitas Moreira, a perda da função pública, prevista no art. 12, II, da Lei nº 8.429/92, deve ser aplicada independentemente dos condenados exercerem cargos no momento da decisão, pois só terão efeito quando a sentença transitar em julgado – ou seja, quando não mais couber recursos à decisão judicial. Nesse momento, os réus podem ter assumido novos cargos públicos.

No recurso, o procurador defende que a penalidade deve abranger qualquer vínculo existente entre o agente ímprobo e o Poder Público, em todas as esferas: municipal, estadual ou federal. Isto para garantir “que o ímprobo fique impedido de ocupar função pública, visto ter demonstrado, ante a condenação, não possuir os atributos necessários para o exercício da função pública, a qual está pautada em valores éticos e exige um comportamento honesto e eficiente” - afirma.
Ascom MPF na Bahia


Não se esqueça de ler isso também ...

Nenhum comentário:

Deixe seu comentário

PARCEIROS



 photo GS-SOMgif_zpszfpbff8c.gif
 photo GS-SOMgif_zpszfpbff8c.gif