A tradição ou sacrificio comer peixe na "sexta-feira da Paixão" - Itiruçu Notícias - Itiruçu e Região conectados com a informação
Arrow

NOTÍCIA EM DESTAQUE

Motorista alcoolizado que provoca morte. Qual a punição?

O comportamento do brasileiro no trânsito encontra-se longe do recomendável. O número de motoristas que dirigem alcoolizados, inclusive...

Histórias que o Povo Conta

A história que o povo conta; O Retratista

Paulo Borges de Oliveira, natural de Castro Alves – BA, nascido em 18/11/1918, chegou em Itiruçu –BA, em 1950, foi comerciante juntamente com seu irmão Otávio (já falecido), na antiga rua da Lancha, hoje Moisés Almeida, mas, anos depois dedicou – se inteiramente a profissão de fotógrafo.
CONTINUE LENDO

EDITORIAL

A Ganância e a Discórdia a felicidade dos invejosos

Aquele que semeia a discórdia é terrível. Não gosta de ver a paz reinar em canto algum, parece que se agonia com isso.

Qual o objetivo das pessoas que agem desta forma? Será que essa atitude provoca prazer em determinadas pessoas? Ou seria o ego de pessoas invejosas que se sentem felizes provocando infelicidades.

Fazendo minhas análises sobre certas atitudes humanas percebi que pessoas infelizes são as que mais disseminam discórdias e a maior delas sempre está relacionada com algum tipo de fofoca raivosa.

Aquela que numa simples palavra já se percebe o rancor interior de quem fez. E se estivermos perto de quem fez a fofoca raivosa nota-se no semblante da pessoa um certo alívio pela maldade que provocou ou até um sorriso nos lábios achando-se vitorioso...CONTINUE LENDO


MAIS LIDAS DO MÊS


A tradição ou sacrificio comer peixe na "sexta-feira da Paixão"

Por: Redação Itiruçu Notícias - sexta-feira, 30 de março de 2018 - 0 Comentários

O peixe era abundante e barato, por isso comum nas refeições dos mais humildes



Em uma  época que  povo vivia em terras alheias e a carne vermelha era consumida só em banquetes, nas cortes e nas residências dos nobres. A carne tornou-se, então, símbolo da gula, associado ao pecado. Dessa forma, a Igreja orientava os fiéis a comerem carne à vontade antes da quaresma o que deu origem aos banquetes chamados “carne vale”  que muitos anos depois se tornou o carnaval. Depois se absterem de carne, durante os 40 dias que antecediam a Páscoa.
O peixe não chegou a entrar na lista da abstinência,   isto porque, na época, a carne era artigo de luxo, rara à mesa das pessoas mais pobres. O peixe, por outro lado, era abundante e barato, por isso comum nas refeições dos mais humildes. Diferente nos tempos atuais.
Com o passar dos séculos, a carne deixou de estar presente somente nos banquetes e perdeu seu caráter simbólico de pecado, mas a tradição continuou principalmente na sexta-feira da Paixão.
No Brasil e em alguns países europeus, o peixe Gadus morhua, conhecido como Bacalhau, é um dos mais consumidos nesta época do ano.
Mas há muitas interpretação pois o peixe assim como outros animais, têm sistema nervoso complexo e são plenamente capazes de sentir dor e desespero. Quando são retirados da água e mortos por asfixia e golpes de faca, é exatamente isso que eles sentem: dor e desespero.
Se respeitar o sacrifício de Jesus Cristo descrito na Bíblia inclui não causar sofrimento a quem quer que seja, o consumo de peixes, bois, gatos, galinhas, porcos, cachorros, baleias e qualquer outro animal deveria ser revisto em todos os dias do ano.



Não se esqueça de ler isso também ...

Nenhum comentário:

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do Itiruçu Notícias; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Colaboradores