Setor produtivo quer modernização da regulamentação do uso de defensivos agrícolas - Itiruçu Notícias | Você conectado à informação!
Arrow

Acesse e curta nossa FAN PAGE no Facebook



Conheça seus Direitos

O Seu Direito


Êta, Lê, Lê

Êta, Lê, Lê


EDITORIAL

"O Quinto dos Infernos" sustenta a corrupção no Brasil

Durante o Século 18, o Brasil-Colônia pagava um alto tributo para seu colonizador, Portugal. Esse tributo incidia sobre tudo o que fo...


Versículos Bíblicos  



As Mais Clicadas da Semana

Setor produtivo quer modernização da regulamentação do uso de defensivos agrícolas

Postado por Neto Oliveira - sexta-feira, 2 de dezembro de 2016 - 0 Comentários


O secretário da Agricultura, Vitor Bonfim, esteve reunido ontem (01/12), com o presidente do Consórcio Cooperativo Agropecuário Brasileiro (CCAB), Jones Yasuda, que chamou atenção para a necessidade de modernização da regulamentação do uso de agrotóxicos no Brasil, Lei 7.802 sancionada em 1989. De acordo com Yasuda, já existe um projeto de lei tramitando na Câmara Federal, que propõe mudanças no uso dos defensivos agrícolas. Ele destacou aspectos como a necessidade do uso do produto correto no controle de cada doença; a adoção de novas técnicas de análise de riscos já utilizadas em outros países, e as dificuldades no processo de registro dos defensivos no Brasil.

Yasuda solicitou o apoio do secretário, para levar à próxima reunião do Conselho Nacional dos Secretários de Estado da Agricultura (Conseagri), a necessidade de implantar o conceito sobre o que é prioritário para o setor produtivo, com demandas já elencadas por associações brasileiras ligadas ao segmento agropecuário. O objetivo é sanar os problemas que afetam a economia, priorizando, inicialmente, as cadeias produtivas da soja, cana-de-açúcar, milho e algodão, com importante apelo econômico e social.

“É prioridade do governo do Estado o fomento às atividades agropecuárias, especialmente em tempos de crise. Esse segmento é o que melhor responde em termos de retorno financeiro, já que em muitas culturas, em seis meses é possível plantar, colher e comercializar. Vamos levar as demandas para discussão do Conseagri”, finalizou Bonfim.


Não se esqueça de ler isso também ...

Nenhum comentário:

Deixe seu comentário

Publicidade

 photo dra rita coacutepia_zpsxcdxnsbz.png

 photo gilmarblogif_zpsi4cfgiei.gif

COMPRE AQUI


Ou pelo WhatsApp:
(11) 98109 7241