Protestos pela impunidade de quem atropelam as leis - Itiruçu Notícias
Arrow
Cores da Saúde: Julho Amarelo alerta sobre câncer nos ossos



Passeio Cicloturismo de Itiruçu


EDITORIAL

Reflexão do sofrimento superado pela Fé

As lágrimas escorrem como sangue de uma ferida, difícil de estancar.
As batidas do coração doem a cada pulsação.
O olhar que não encontra uma saída nem mesmo alguém que possa compreender, quando se está no chão.
Não há uma mão pra te levantar, mas várias para te empurra no abismo. Apagar a luz no fim do túnel com um sopro para que não enxergue a saída.
Mas com tua em fé em Deus, louvai, porque ele é bom
Em Salmos 107.06 diz “E clamaram ao Senhor na sua angústia, e os livrou das suas dificuldades.”
Pois Deus conhece as duas dores e os seus sofrimento .
Os retos o verão, e se alegrarão, e toda a maldade tapará a boca.
Quem é sábio observará estas coisas, e eles compreenderão as bondades do Senhor. Salmos 107:42,43 CONTINUE LENDO


COLUNISTAS



Coluna Joselito Fróes: Êta lê lê! : O Bar São Jorge

Existem certas relíquias que o tempo faz questão de perpetuar. Passa-se o tempo e a suas lembranças continuam vivas em nossos corações...


MAIS LIDAS DO MÊS


Protestos pela impunidade de quem atropelam as leis

Por: Ed Santos - domingo, 4 de dezembro de 2016 - 0 Comentários


Movimentos de apoio a impunidade a juízes e promotores que atropelam as leis marcaram várias capitais pelo país neste domingo. Sob o pretexto de defesa da Operação Lava Jato, que segundo o Juiz Sergio Moro e o procurador Daltan Dalagnol  ambos suspeitos de atropelarem a constituição em suas ações na referida operação, eles argumentam que estaria ameaçada a dita operação pelo projeto de lei que na verdade visa punir além políticos, juízes e promotores que cometerem crimes. 

Os manifestantes protestaram a chamado do grupo político neoliberal intitulado Brasil Livre e Vem Pra Rua, os mesmos que organizaram os protestos contra Dilma, e apoiaram a acessão do atual governo de Temer. Os protestos foram em Brasília, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Recife, Salvador e outras cidades brasileiras. O alvo deles foram os parlamentares, depois que nesta semana foram aprovados projetos polêmicos que pune juízes e procuradores que abusam das leis.

Renan Calheiros, principal alvos dos protestos, disse em nota, em nome do senado que, “assim como fez em 2013, quando votou as 40 propostas contra a corrupção em menos de 20 dias, entre elas, a que agrava o crime de corrupção e o caracteriza como hediondo, o Senado continua permeável e sensível às demandas sociais", diz a nota curta emitida pela assessoria da presidência do Senado.

Palácio do Planalto na pessoa de Michel Temer disse, em nota, respeitar as manifestações ocorridas neste domingo (4) dizendo que o ato mostra a "força e a vitalidade de nossa democracia" e que "é preciso que os Poderes da República estejam sempre atentos às reivindicações da população brasileira".

Ao contrário dos recentes protestos contra a PEC 55 que congela os investimentos públicos, que reuniu dezenas de milhares de pessoas, que foram agredidas pela polícia e que se quer foi emitida nota de respeito, além ter sido ignorado pela mídia, que quando falou foi para associar os protestantes a vândalos; desta feitas os manifestantes de classe média, em apoio a impunidade de juízes e procuradores, soou agradável a mídia brasileira que fez ampla cobertura, até com certos exageros, e ainda receberam afago dos políticos brasileiros.

Os senadores Aécio Neves e Aloysio Nunes, ambos do PSDB, querem transformar a proposta do juiz Sérgio Moro, em proposta da bancada tucana; a ideia do juiz da Lava Jato é que PL sobre abuso de autoridade tenha um artigo que impeça a punição de juízes, promotores e policiais por atos ligados a interpretação de leis e avaliação de fatos e provas; chama a atenção, no entanto, que logo Aécio, o político mais delatado na Lava Jato, e Aloysio, que responde a inquérito no Supremo, queiram encampar o projeto.


Além dos pedidos de 'Fora Renan', o que se viu foi um endeusamento à figura do juiz Sérgio Moro. Para muitos dos que estavam ali a Lava-Jato virou uma seita incriticável. Cartazes de "Sérgio Moro é intocável" foram exibidas sem qualquer constrangimento, abrindo espaço para o endeusamento de figuras que se põe acima dos Céus e da Terra; segunda analisa, o politólogo, George Marques. 
 
Por Edsantos/Itiruçu Noticias


Não se esqueça de ler isso também ...

Nenhum comentário:

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do Itiruçu Notícias; a responsabilidade é do autor da mensagem.

PARCEIROS



 photo GS-SOMgif_zpszfpbff8c.gif
 photo GS-SOMgif_zpszfpbff8c.gif



São Pedro 2018

Melhores momentos - Por Wilson Novaes