Afiliada da Globo demite jornalista ameaçado de morte - Itiruçu Notícias
Arrow
MENSAGEM DE ANO NOVO

Campanha


EDITORIAL

Viajando no tempo: do Jornal Itiruçu, evoluindo até o Itiruçu Notícias


O tempo urge e as memórias ficam, para revela a sua história. Recebi do amigo poeta Claudio Fernandes uma lembrança dos primeiros passos na área da informação. Na época não tinha internet, blogs, redes sociais, sites muito mesmo WhatsApp, mas já naquela época dávamos os primeiros passos na área da comunicação escrita. CONTINUE LENDO


COLUNISTAS

Coluna Joselito Fróes: Êta lê lê! : O Bar São Jorge

Existem certas relíquias que o tempo faz questão de perpetuar. Passa-se o tempo e a suas lembranças continuam vivas em nossos corações...


MAIS LIDAS EM 2017


Afiliada da Globo demite jornalista ameaçado de morte

Por: Itiruçu Notícias - - sexta-feira, 21 de outubro de 2016 - 0 Comentários


Afiliada da Globo no Paraná, a RPC demitiu o jornalista James Alberti, produtor das primeiras reportagens do Jornal Nacional sobre a operação Lava Jato. A demissão aconteceu apenas nove meses depois de o repórter voltar de uma viagem forçada ao exterior, para se proteger de ameaças de morte recebidas quando conduzia investigações envolvendo corrupção e pedofilia.
A emissora disse a Alberti que ele foi dispensado em uma redução de custos que eliminou o emprego de outros 15 profissionais. No meio jornalístico, no entanto, a demissão causou estranheza não só pelas recentes ameaças de morte e pelas inevitáveis insinuações de que o corte poderia ter sido motivado por pressões políticas. Alberti é o jornalista mais premiado da história da RPC.

Em 2010, uma investigação de dois anos comandada pelo produtor resultou na "demissão" de 724 servidores fantasmas da Assembleia Legislativa do Paraná, gerando uma economia de mais de US$ 400 milhões por ano aos cofres públicos.
A reportagem rendeu à rede paranaense de TV alguns dos prêmios mais importantes do jornalismo. A série Diários Secretos, como foi batizada, levou o Grande Prêmio Esso, o mais desejado do país, e o Global Shining Light Award, um dos principais do jornalismo investigativo mundial. A entidade que entrega a láurea considerou a reportagem uma das dez mais impactantes da história do jornalismo investigativo, ao lado do escândalo Watergate (1972).

Alberti carrega diploma do Prêmio Esso de Jornalismo logo após ser demitido da RPC, no último dia 11
Alberti trabalhava havia 16 anos na RPC. Ele agia nos bastidores, apurando informações. Fazia parte do primeiro time de repórteres investigativos que não mostram o rosto, como Eduardo Faustini, do Fantástico, e Tim Lopes, assassinado em 2002. Só apareceu uma vez, num Globo Repórter de 2009.

O jornalista esteve por trás do noticiário da Lava Jato até março do ano passado, quando trocou Curitiba por Londrina para se aprofundar nas investigações da Publicano, operação da Polícia Federal contra um esquema de desvio de dinheiro da Receita Federal, fraude na manutenção de veículos oficiais do Estado e corrupção de menores. Entre os envolvidos, estavam um primo, o fotógrafo e um colega de corridas do governador do Paraná, Beto Richa (PSDB).

Alguns amigos o alertaram de que ele seria demitido, que isso já estava combinado desde que fora "resgatado" em Londrina, em abril do ano passado, com direito a carro blindado e escolta. A "profecia" se concretizou no último dia 11, quatro dias antes de Alberti completar 45 anos.
Procurada, a assessoria de imprensa da RPC informou que a emissora não vai se manifestar sobre o assunto.
 Foto Facebook /Fonte Uol


Não se esqueça de ler isso também ...

Nenhum comentário:

Deixe seu comentário

PARCEIROS



 photo GS-SOMgif_zpszfpbff8c.gif
 photo GS-SOMgif_zpszfpbff8c.gif