Dóris Hipólito dar curso de aconselhamento pró-vida - Itiruçu Notícias
Arrow
Campanha Cores da Saúde



EDITORIAL

Reflexão do sofrimento superado pela Fé

As lágrimas escorrem como sangue de uma ferida, difícil de estancar.
As batidas do coração doem a cada pulsação.
O olhar que não encontra uma saída nem mesmo alguém que possa compreender, quando se está no chão.
Não há uma mão pra te levantar, mas várias para te empurra no abismo. Apagar a luz no fim do túnel com um sopro para que não enxergue a saída.
Mas com tua em fé em Deus, louvai, porque ele é bom
Em Salmos 107.06 diz “E clamaram ao Senhor na sua angústia, e os livrou das suas dificuldades.”
Pois Deus conhece as duas dores e os seus sofrimento .
Os retos o verão, e se alegrarão, e toda a maldade tapará a boca.
Quem é sábio observará estas coisas, e eles compreenderão as bondades do Senhor. Salmos 107:42,43 CONTINUE LENDO

COLUNISTAS



Coluna Joselito Fróes: Êta lê lê! : O Bar São Jorge

Existem certas relíquias que o tempo faz questão de perpetuar. Passa-se o tempo e a suas lembranças continuam vivas em nossos corações...


MAIS LIDAS DO MÊS


Dóris Hipólito dar curso de aconselhamento pró-vida

Por: Itiruçu Notícias - quinta-feira, 4 de agosto de 2016 - 0 Comentários


Dóris Hipólito estará em Fortaleza para dar curso de aconselhamento pró-vida. Professora de História e Geografia, ela largou a profissão, em 2007, para se dedicar exclusivamente à Casa de Amparo Pró-Vida, que acolhe mulheres grávidas e oferece suporte à gestação. Dóris vem a Fortaleza para conduzir o Seminário Pró-Vida. O evento acontece, no próximo domingo (17), no auditório da Ultralimpo (Rua Acilon Gonçalves, 5665, Eusébio), das 8 às 16 horas. O objetivo do encontro é falar sobre a preservação da vida e do funcionamento do projeto de acolhimento de gestantes em situação de vulnerabilidade. Dóris também vai ministrar o curso de aconselhamento pró-vida, "para ensinar o que dizer a uma gestante que intenciona abortar".

A Ativista  coordena a Casa de Amparo Pró-Vida, na Baixada Fluminense, Rio de Janeiro, e que acolhe mulheres grávidas com risco de aborto, percorrendo as comunidades da Baixada Fluminense, para ajudar gestantes em situação de vulnerabilidade social e econômica a seguir com a gestação. Maria das Dores Hipólito Pires, mais conhecida como Dóris Hipólito, é ativista pró-vida há 25 anos e afirma que já salvou milhares de bebês da possibilidade do aborto. “Posso testemunhar que, em 25 anos de trabalho, mais de 3.000 crianças foram salvas”, disse Dóris, em entrevista ao programa Sim a Vida, da TV Evangelizar.

Na análise da ativista, o que leva a maioria das mulheres a decidir pelo aborto é a falta de informações e condições financeiras. Ela cita, ainda, a questão da violência doméstica, que fragiliza a gestante. “Não dizem para ela que aquele bebê com 20 dias já tem um coração batendo forte. Não explicam que com 12 semanas ele está todo formado. Elas desconhecem essa realidade”, reflete Dóris.

Segundo ela, a mulher quando é informada fica sabendo o que é o aborto e as sequelas físicas que ficam sem contar as psicológicas. “Ela tira o bebê do ventre, mas nunca da cabeça. Ciente desses passos, a mulher repensa a decisão”, argumenta Dóris. “Depois entra as questões financeiras e familiares. Em 40% dos aconselhamentos, nos deparamos com essa realidade. Primeiro a desinformação, seguida da pobreza e também da violência, quando o pai não quer a criança. Em muitos casos, a mulher é ameaçada pelo companheiro a não seguir com a gravidez. Nosso trabalho é amplo, então envolvemos a família toda para ajudar à gestante”, completa.

Em 2007, Dóris Hipólito conheceu uma grávida, com deficiências físicas e mentais, morando debaixo de um viaduto. Ela alugou uma casa para ajudar a gestante. Logo apareceu outras mulheres em situação semelhante. A partir daí, ela formalizou a iniciativa e criou a Casa do Amparo Pró-Vida.

Ela compartilhou a iniciativa e ajudou a fundar outros centros de apoio à maternidade em igrejas locais. O objetivo é oferecer assistência médica e formação profissional, para suprir as necessidades da mãe e do bebê.  O trabalho de Dóris multiplicou ao longo dos anos. Hoje, muitas mulheres que foram assistidas pelo projeto atuam como voluntárias cuidando de gestantes em situação de vulnerabilidade.
  
Sempre enfrentando dificuldades para manter o lugar de acolhimento, Dóris continua firme, sustentada pela força da esperança que irradia do rosto das crianças retratadas na sua parede. Ela recita para si mesma: "Os poderosos podem me mostrar o seu poder, mas os bebês me mostram o paraíso". 
Com informações do programa Sim à Vida e do site aleteia.org


Não se esqueça de ler isso também ...

Nenhum comentário:

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do Itiruçu Notícias; a responsabilidade é do autor da mensagem.

PARCEIROS



 photo GS-SOMgif_zpszfpbff8c.gif
 photo GS-SOMgif_zpszfpbff8c.gif