Supremo determina pedido de impeachment contra Temer - Itiruçu Notícias
Arrow
MENSAGEM DE ANO NOVO

Campanha


EDITORIAL

Lembranças de Tom Scaldaferri: "Parece que foi ontem"


Da última vez que estive em Itiruçu, fiz questão de beber uma gelada no BAR SÃO JORGE!
Cortei uma prosa com meu grande amigo Valdo, e tive o prazer de relembrar aqueles velhos tempos nos anos 70 e 80!
Agora, fui além nas minhas lembranças quando revivi também os tempos de Seu Lior (pai de Marina e Gildenor), de Afonso e do meu tio Raimundo Scaldaferri! CONTINUE LENDO


COLUNISTAS




Coluna Joselito Fróes: Êta lê lê! : O Bar São Jorge

Existem certas relíquias que o tempo faz questão de perpetuar. Passa-se o tempo e a suas lembranças continuam vivas em nossos corações...


MAIS LIDAS EM 2017


Supremo determina pedido de impeachment contra Temer

Por: Itiruçu Notícias - - terça-feira, 5 de abril de 2016 - 0 Comentários





Segundo as informações o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), vai rejeitar a decisão do ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), que determinou que Cunha acate o pedido de impeachment apresentado contra o vice-presidente, Michel Temer, e arquivado por ele em dezembro passado.

A posição foi manifestada pelo deputado Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ), aliado de Cunha. Segundo ele, o presidente da Câmara se mostrou irritado com a determinação do STF em reunião com peemedebistas nesta terça-feira 5 e sinalizou que não irá cumpri-la.

"Essa decisão do Supremo é um absurdo. Nós vamos ignorar e pronto", disse o deputado do DEM à Folha de S. Paulo. "O Supremo está interferido no Legislativo. Eles que venham aqui mandar a gente cumprir. Se eles querem guerra institucional, é guerra que eles vão ter", acrescentou.
O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, reagiu, nesta terça-feira (5), dizendo que Cunha a determinação do STF  deve ser cumprida imediatamente. Se houver descumprimento da liminar, Cunha poderá ser enquadrado em crime de responsabilidade, explicou Melo.

"É impensável que não se observe uma decisão do Supremo. A decisão não é do cidadão Marco Aurélio, é do Supremo e deve ser observada. (Se houver descumprimento) é crime de responsabilidade e sujeito a glosa penal , disse, completando: — Eu ainda acredito que o presidente Eduardo Cunha cumprirá imediatamente e reconhecerá o valor dessa decisão. Quando se inobserva (decisão judicial) é porque as coisas não vão bem e eu não posso pensar em fechar o Brasil para balanço”, disse Marco Aurélio.

O ministro se recusou a responder as críticas de Cunha à liminar: "Não, de forma alguma. Eu reconheço o direito de espernear".
Marco Aurélio disse que, se Cunha apresentar vários recursos ao STF, como anunciou que faria, outro ministro da Corte não pode derrubar a decisão dele. O relator disse que, se houver agravo à liminar, ele deve levar o caso ao plenário do tribunal na próxima semana.


Não se esqueça de ler isso também ...

Nenhum comentário:

Deixe seu comentário

PARCEIROS



 photo GS-SOMgif_zpszfpbff8c.gif
 photo GS-SOMgif_zpszfpbff8c.gif