STJ proíbe publicidade dirigida as crianças - Itiruçu Notícias
Arrow
Vídeo sobre Câncer de cólon - Intestino Grosso

Campanha Cores da Saúde



EDITORIAL

Reflexão do sofrimento superado pela Fé

As lágrimas escorrem como sangue de uma ferida, difícil de estancar.
As batidas do coração doem a cada pulsação.
O olhar que não encontra uma saída nem mesmo alguém que possa compreender, quando se está no chão.
Não há uma mão pra te levantar, mas várias para te empurra no abismo. Apagar a luz no fim do túnel com um sopro para que não enxergue a saída.
Mas com tua em fé em Deus, louvai, porque ele é bom
Em Salmos 107.06 diz “E clamaram ao Senhor na sua angústia, e os livrou das suas dificuldades.”
Pois Deus conhece as duas dores e os seus sofrimento .
Os retos o verão, e se alegrarão, e toda a maldade tapará a boca.
Quem é sábio observará estas coisas, e eles compreenderão as bondades do Senhor. Salmos 107:42,43 CONTINUE LENDO

COLUNISTAS



Coluna Joselito Fróes: Êta lê lê! : O Bar São Jorge

Existem certas relíquias que o tempo faz questão de perpetuar. Passa-se o tempo e a suas lembranças continuam vivas em nossos corações...


MAIS LIDAS DO MÊS


STJ proíbe publicidade dirigida as crianças

Por: Itiruçu Notícias - - sexta-feira, 25 de março de 2016 - 0 Comentários



Em decisão unânime, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) considerou abusiva e proibiu uma campanha publicitária dirigida ao público infantil.
O julgamento, realizado na semana passada, avaliou a propaganda “É hora de Shrek” que associava a venda do produto a um relógio do personagem Shrek. Para obter o relógio, era necessário apresentar cinco embalagens do biscoito “Gulosos”, da Bauducco, mais o valor de R$ 5. Além de abusiva, o tribunal compreendeu como venda casada, prática proibida no Código de Defesa do Consumidor (CDC).

A decisão é fruto de uma ação civil pública movida pelo Ministério Público de São Paulo (MP-SP) a partir de uma denúncia do Instituto Alana movida contra a Pandurata, dona da Bauducco.
O Idec comemora a decisão, pois, apesar de ser relacionada   a essa propaganda em específico, pode impactar toda a publicidade infantil, pois o STJ é uma das cortes máximas do país e seu posicionamento tende a ser replicado em tribunais de instâncias inferiores.

A decisão é histórica porque, pela primeira vez, que o Código de Defesa do Consumidor (CDC)  foi usado como base para o STJ analisar publicidade infantil. Segundo o artigo 37, parágrafo segundo da lei, é abusiva qualquer publicidade que “se aproveite da deficiência de julgamento e experiência da criança”.
Para a nutricionista e pesquisadora em alimentos Ana Paula Bortoletto, o entendimento do STJ protege as crianças  de campanhas que estimulam o consumismo e hábitos alimentares não saudáveis. “A decisão do STJ destaca um agravante: o fato de a empresa praticar publicidade abusiva e venda casada de um tipo de produto ultraprocessado, que  não é recomendado como parte de uma alimentação adequada e saudável”, afirma Ana Paula.

Além do CDC, a resolução 163 do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda), de 2014, também veda a publicidade dirigida ao público infantil. Porém, não há uma interpretação geral de que o texto tenha força de lei e as propagandas para crianças continuavam correndo soltas.

A recente decisão do STJ deixa uma orientação jurídica mais clara ao utilizar o CDC. “ A decisão manda um recado para as empresas que ainda praticam a publicidade abusiva: acabou e ponto final”, disse Ana Paula, citando a afirmação do ministro Herman Benjamin, em seu voto sobre o caso.


Não se esqueça de ler isso também ...

Nenhum comentário:

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do Itiruçu Notícias; a responsabilidade é do autor da mensagem.

PARCEIROS



 photo GS-SOMgif_zpszfpbff8c.gif
 photo GS-SOMgif_zpszfpbff8c.gif