Ex-prefeito de Itamari é multado pelo TCM - Itiruçu Notícias
Arrow
Exerça sua cidadania



Passeio Cicloturismo de Itiruçu



EDITORIAL

Refletindo: A verdadeira política do verdadeiro cristão

O Evangelho é o caminho da verdade e da vida eterna, a política é o caminho do cidadão onde interfere diretamente na sua vida terrena (ALIMENTAÇÃO, MORADIA, SAUDE, EDUCAÇÃO, ESPORTE LAZER ETC.)
O Evangelho busca a paz espiritual, quanto à política favorece ou dificulta à vida da comunidade, porém um povo evangelizado com certeza a política só faz favorecer, pois a comunidade sabe o que é o melhor para ela.
A política não se reúne em atividades partidárias, eleições, lideres etc. e sim em um conjunto de atividades que o cidadão deve sentir com o seu dever e direito de estar presente, compromisso da realidade social, não pregando discórdia e sim a união porque o cristianismo deve evangelizar na totalidade da existência humana, inclusive na dimensão da política.

COLUNISTAS



Coluna Joselito Fróes: Êta lê lê! : O Bar São Jorge

Existem certas relíquias que o tempo faz questão de perpetuar. Passa-se o tempo e a suas lembranças continuam vivas em nossos corações...


MAIS LIDAS DO MÊS


Ex-prefeito de Itamari é multado pelo TCM

Por: Itiruçu Notícias - terça-feira, 12 de julho de 2016 - 0 Comentários


O ex-prefeito de Itamari, Waldson Carlos Alves Menezes, foi multado em R$3 mil pelo Tribunal de Contas dos Municípios, na tarde desta terça-feira (12/07), em razão da sua omissão na acumulação irregular de cargo público pelo servidor Orlando Guedes Andrade e por irregularidades na contratação sem licitação do Instituto Municipal de Administração Pública – IMAP, no exercício de 2010.
O relator do processo, conselheiro Antônio Carlos da Silva, verificou que o servidor recebia cumulativamente as remunerações relativas a três cargos, um de diretor de Unidade Hospitalar e dois de médico, contrariando norma expressa da Constituição Federal, que veda a acumulação remunerada, exceto em casos específicos e no máximo de dois cargos.
Sobre a contratação do IMAP, a relatoria entendeu que não cabia a dispensa de licitação, vez que o objeto do contrato, a publicação dos atos oficiais municipais, é uma atividade comum e poderia ser exercida por qualquer outra empresa do mercado.
Cabe recurso da decisão.


Não se esqueça de ler isso também ...

Nenhum comentário:

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do Itiruçu Notícias; a responsabilidade é do autor da mensagem.

PARCEIROS



 photo GS-SOMgif_zpszfpbff8c.gif
 photo GS-SOMgif_zpszfpbff8c.gif

Campanha de Doação