Notícias do Vale

Notícias da Bahia

Noticias do Brasil

Opinião & Notícias

Audios & Vídeos

A nos Estados Unidos, Kathy Hochul, declarou estado de emergência por conta da disseminação da varíola dos macacos.
"Estou declarando uma emergência estadual de desastre para fortalecer nossos esforços contínuos para enfrentar o surto de varíola dos macacos", escreveu no Twitter Hochul, na sexta-feira (29).

Segundo a governadora, um em cada quatro casos da doença no país estão em Nova York, que também registra um grande impacto nos grupos de risco.
Nesta semana, Brasil e Espanha registraram as primeiras mortes em decorrência da varíola dos macacos fora do continente africano.
Na semana passada, a Organização Mundial da Saúde declarou estado de emergência global por conta do surto.
Por volta 50 anos o corpo feminino começa a passar por grande mudança: a chegada da menopausa, processo causado pela redução fisiológica da produção de hormônios pelos ovários. E com ela vêm alguns sintomas, como ondas de calor súbitas (os famosos fogachos), suores intensos, alterações bruscas de humor e secura vaginal, entre outros. Neste período, o organismo feminino experimenta alterações que resultam na redução não só de hormônios, mas de micronutrientes como a vitamina D.


Produzida pelo corpo humano, principalmente por meio da exposição solar, a vitamina D é essencial ao corpo humano em todas as fases da vida. E na menopausa não seria diferente. E quando falamos nela, o primeiro problema que vem à mente é a saúde dos ossos.

Isso porque a menopausa é um fator que aumenta as chances do surgimento da osteoporose, condição na qual os ossos se tornam frágeis, porosos e quebradiços. Isto faz crescer o risco de fraturas, especialmente do quadril, da costela e do colo do fêmur, conforme a doença avança, uma vez que afeta progressivamente a densidade óssea devido à redução do hormônio estrógeno.

“A vitamina D atua diretamente no controle da quantidade de cálcio e fósforo do organismo e, quando em baixa quantidade, pode acarretar diferentes patologias, como é o caso da osteoporose. Em decorrência disso, a suplementação da vitamina D, em conjunto com o tratamento de reposição hormonal, é uma alternativa bastante recomendada para a prevenção da osteoporose. Mas a deficiência deste nutriente nesta fase da vida da mulher não afeta apenas os ossos”, afirma o médico Odair Albano, ginecologista obstetra e consultor em saúde.

Outro sinal de carência de vitamina D em mulheres pós-menopausa é a perda acelerada da massa muscular e a fraqueza dos músculos aumenta o risco da perda do equilíbrio e quedas, principalmente entre as pessoas idosas. Bons níveis de vitamina D e atividade física de resistência ajudam a manter a massa muscular.

A vitamina D tem sido estudada também por seu papel no fortalecimento do sistema imunológico, por ação imunomoduladora e no tratamento de algumas doenças. “É importante enfatizar que a exposição solar diária de pelo menos 15 minutos, sem uso protetor solar, pode permitir a manutenção de bons níveis de vitamina D. Vale ressaltar ainda que as pessoas não devem se automedicar, e sim buscar atendimento médico para definir a necessidade de suplementação e a dose recomendada de vitamina D, finaliza Albano.

De acordo com o jornalista Fabrizio Romano, o Flamengo abriu negociações para contratar o meio campista Oscar, ex-Chelsea e Internacional. O jogador está no Shanghai SIPG desde 2017, atuou 173 vezes pelo clube chinês, fez 51 gols e deu 94 assistências.

Segundo o especialista em mercado de transferência, o contrato do brasileiro com o rubro-negro seria de seis meses, ou seja, até janeiro de 2023.

O brasileiro estaria aberto a possibilidade de retornar ao Brasil. As negociações ainda estão em andamento. O jogador de 30 anos está, desde 2017, no Shanghai SIPG, da China, onde atuou ao lado de Hulk, hoje no Atlético Mineiro.

O clube carioca já anunciou Everton Cebolinha e Arturo Vidal nesta janela de transferência. E segue negociando com os volantes Walace e Wendel para reforçar a equipe na segunda metade da temporada.
 

 

O cantor Roberto Carlos não gostou do comportamento de parte do público que acompanhou o show que ele fez, na última quarta-feira (13), no Qualistage, casa de shows na Zona Oeste do Rio de Janeiro.  O rei da musica perdeu o controle quando começou a cantar a música "Cavalgada", o artista viu um grupo de mais de 40 fãs deixarem seus assentos para se aglomerar perto do palco, gritando e pedindo pelas rosas que o Rei costuma distribuir ao fim das apresentações. 

Visivelmente irritado com a situação, Roberto Carlos deu uma bronca nos espectadores e mandou uma pessoa ficar em silêncio: "Cala a boca, cara, porra", ele se exaltou. 

"Foi uma avalanche de gente, numa casa com 3.500 pessoas na plateia. Por ser muito perfeccionista, Roberto quer fazer sempre uma apresentação sublime. Com esse tumulto, ele ficou totalmente desconcentrado", comentou  o assessor do artista em entrevista a empresa.⠀

O Censo Demográfico 2022 começa em 1º de agosto, e a partir desta data, os recenseadores do IBGE irão visitar todos os domicílios, em todos os municípios do país, para atualizar o mais preciso e completo retrato de quantos somos, onde estamos e como vivemos.
 
Receba o/a recenseador/a e responda! É rápido, seguro e sigiloso.
Confirme a identidade de qualquer pessoa que afirma ser do IBGE nos seguintes canais:  0800 721 8181 ou pelo site respondendo.ibge.gov.br.

Os pugilistas baianos Keno Marley e Beatriz Ferreira conquistaram os títulos brasileiros da modalidade em campeonato realizado ao longo de sete dias no Velódromo do Parque Olímpico do Rio de Janeiro. Ambos foram eleitos melhores atletas da competição. Com esse resultado e de mais seis baianos que chegaram às finais, a Bahia terminou em primeiro lugar na competição por equipes tanto no masculino quanto no feminino.


 Keno Marley – O boxeador baiano conquistou, no último domingo, dia 10, o título de até 92 kg em luta disputada contra Ramon Souza. Marley, que tem 22 anos e é natural de Sapeaçu, na Bahia, chegou à final e, após 3 rounds, foi declarado vencedor por unanimidade pelo júri.

A vitória do pugilista vem se somar a outras conquistas em sua carreira, como os títulos de campeão continental de boxe 2018 e 2022, campeão olímpico da juventude 2018, vice-campeão panamericano 2019 e vice-campeão mundial em 2021, além, é claro de sua participação nas olimpíadas de Tokyo, realizada em 2021.  

Bia Ferreira – Medalhista olímpica de prata nos últimos Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2021, a soteropolitana foi campeã na categoria até 60kg no último domingo, 10. A vitória por unanimidade contra a carioca Rebeca Santos se soma às medalhas de ouro no Campeonato Mundial de 2019, nos Jogos Pan-Americanos de Lima, também em 2019, e nos Jogos Sul-Americanos de 2018.

A meta da dupla agora são os Jogos Olímpicos de Paris, previsto para acontecer em 2024. Além deles, a delegação baiana ainda levou mais dois títulos nas categorias femininas, teve mais quatro medalhistas de prata e dois de bronze. De um total de 13 atletas que viajaram, 10 conseguiram medalha. A Bahia também foi representada no prêmio de melhor treinador com Marco Antônio Moreira Santos.

Com esses resultados, o estado terminou em primeiro lugar na competição por equipes de ambos os sexos. A hegemonia baiana na modalidade nos últimos anos tem trazido frutos no cenário internacional para o país com medalhistas olímpicos e campeões das maiores competições do esporte.  

Os oito atletas finalistas na competição também fazem parte do programa estadual de apoio à prática esportiva, o Bolsa Esporte, uma política pública do Governo da Bahia.   

Veja abaixo os resultados da competição por equipes e das finais que tiveram baianos.


Boxe Feminino

1º Bahia – 23 pontos

2º Rio de Janeiro – 9 pontos

3º Santa Catarina – 5 pontos

Boxe Masculino

1º Bahia – 22 pontos

2º São Paulo – 15 pontos

3º Paraná – 14 pontos

20º Campeonato Brasileiro de Boxe Feminino Elite

50kg - Caroline Almeida (PE) 5:0 Stefani Santos (BA)

54kg - Tatiana Chagas (BA) 5:0 Graziele de Jesus (MT)

60kg - Beatriz Ferreira (BA) 5:0 Rebeca Santos (RJ)

66kg - Barbara Santos (BA) 5:0 Renata Santana (CE)

77º Campeonato Brasileiro de Boxe Masculino Elite

63,5kg - Yuri Falcão (SP) 3:1 Kaian Reis (BA)

80kg - Wanderlei Pereira (PR) 3:2 Isaias Filho (BA)

92kg - Keno Machado (BA) 5:0 Ramon Souza (SP)

+92kg - Abner Teixeira (SP) 5:0 Joel Silva (BA) 

Ascom Sudesb

Falta de ar, respiração acelerada, dor no tórax, sensação de tontura ou desmaio e tosse com sangue são os principais sintomas de um tromboembolismo pulmonar, conhecido como embolia pulmonar. Segundo a Sociedade Internacional de Trombose e Hemostasia (ISTH), a doença é a terceira causa de morte cardiovascular do mundo, ficando atrás do AVC e do infarto. Estilo de vida saudável e diagnóstico precoce podem reduzir os efeitos da doença.

Um levantamento realizado pela Fundação Instituto de Pesquisa e Estudo de Diagnóstico por Imagem (FIDI) -- gestora de serviços de diagnóstico por imagem na rede pública -- aponta que, durante todo o ano de 2021, foram realizados cerca de 7 mil exames para diagnóstico rápido da embolia pulmonar na rede pública onde FIDI atua. Até maio de 2022, o número de exames realizados já chegou a mais de 2,7 mil.

“A embolia é causada pela obstrução das artérias dos pulmões por coágulos que são liberados na corrente sanguínea e os exames são fundamentais para diagnóstico da doença e na escolha do melhor tratamento para evitar complicações do tromboembolismo”, explica Igor Santos, médico radiologista e superintendente de FIDI.
 
Diagnóstico, fatores de risco e tratamento

Os primeiros passos para o diagnóstico da embolia pulmonar é o levantamento clínico e os fatores de risco do paciente. Além disso, existem exames específicos de laboratório e de imagem que ajudam a esclarecer a suspeita da doença.

Entre os fatores de risco para o desenvolvimento do tromboembolismo estão obesidade, uso de anticoncepcionais, cirurgias extensas, longo período de imobilidade, traumas, câncer, sedentarismo, tabagismo, reposição hormonal, insuficiência cardíaca e varizes, entre outros.

O tratamento é feito com medicamentos anticoagulantes e trombolíticos em pacientes de alto risco, uso de meias elásticas e prática atividade física. Nos casos de pós-operatório, há exercícios específicos que ajudam a movimentar as pernas durante os períodos de grande imobilidade.

OUÇAWEB RÁDIO ITIRUSSU

Notícias de Itiruçu

Anúncios


Notícias do Esporte

Instagram

Facebook