Notícias do Vale

Notícias da Bahia

Noticias do Brasil

Opinião & Notícias

Audios & Vídeos

O tema das eleições brasileiras foi tratado na reunião bilateral privada ente o presidente Jair Bolsonaro e o presidente norte-americano, Joe Biden, apesar das resistências do governo brasileiro.

De acordo com a porta-voz do Departamento de Estado Kristina Rosales, em sua fala Biden disse a Bolsonaro acreditar que o Brasil teria eleições livres e justas e que respeita o processo eleitoral brasileiro.

“O presidente Biden falou que ele acredita no processo democrático, somos as duas maiores democracias no hemisfério. Ele acredita no processo eleitoral no Brasil. Sabemos que vai ter um processo de uma eleição livre e justa e que vai ser a voz do povo brasileiro. O que a gente quer que saia na urna é a vontade do povo brasileiro e a gente acredita 100% que isso vai acontecer”, disse Rosales a jornalistas brasileiros na Cúpula das Américas, em Los Angeles.

O governo norte-americano já mandou diversos recados a Bolsonaro, oficialmente e extraoficialmente, demonstrando a insatisfação com a retórica antidemocrática empregada por Bolsonaro --até o momento, sem efeito.

Esse tema era um dos assuntos que Bolsonaro não queria ver tratado durante a reunião com Biden, no receio de uma fala mais dura. No entanto, o discurso oficial apenas repetiu as declarações de confiança no sistema eleitoral brasileiro --um contraponto as suspeitas levantadas pelo próprio Bolsonaro em relação às urnas eletrônicas e declarações de que há risco de fraude.

Na parte aberta à imprensa do encontro entre os dois presidentes, o próprio Bolsonaro levou o assunto, afirmando que foi eleito pela democracia e que quando deixar o poder o fará também de forma democrática.

Justin Bieber publicou um vídeo no Instagram nesta sexta-feira (10) que mostra metade do seu rosto paralisado. O cantor de 28 anos diz que sofre de uma síndrome rara chamada Ramsay Hunt.
A síndrome de Ramsay Hunt é uma infecção dos nervos da face e do ouvido que pode provocar paralisia facial. Ela é causada pelo vírus herpes-zoster.

"Quero atualizar vocês do que está acontecendo, obviamente como vocês podem ver pelo meu rosto. Eu tenho uma síndrome chamada Ramsay Hunt, por causa desse vírus que ataca os nervos do meu ouvido e meus nervos faciais e fez meu rosto ficar paralisado", ele explica.

"Para aqueles que estão frustrados pelo cancelamento dos meus próximos shows, eu não estou apto fisicamente a fazê-los. Isso é bastante sério, como vocês podem ver. Eu queria que não fosse o caso, mas é hora de cuidar do meu corpo e eu preciso pegar leve. Espero que vocês entendam", ele diz.

"Vou usar esse tempo para descansar e relaxar para voltar 100% para o que nasci para fazer. Enquanto isso, eu preciso relaxar para ter meu rosto de volta. Amo vocês, obrigada por serem pacientes comigo. Vou melhorar. Estou fazendo todos os exercícios para que meu rosto volte ao normal, é só uma questão de tempo, mas não sabemos quanto exatamente", ele afirma.

"Mas vai ficar ok, eu espero. Eu confio em Deus e confio que isso está acontecendo por alguma razão. Não sei qual é neste momento, mas enquanto isso eu vou descansar. Amo vocês", finaliza Bieber.

“Não acredito que estou dizendo isso. Fiz de tudo para melhorar, mas minha doença está piorando”, ele escreveu no Instagram na terça-feira (7), antes de revelar a síndrome.

“Meu coração está partido por ter que adiar esses próximos shows (por ordens dos médicos). Para todo o meu público, eu amo muito vocês e vou descansar e melhorar!”

O cantor também foi diagnosticado com a doença de Lyme em 2019. A Doença de Lyme é uma enfermidade causada por uma bactéria transmitida pela picada de carrapato e pode afetar todos os sistemas do corpo humano.


 


O governo de Cuba atacou nesta segunda-feira (6) a decisão dos Estados Unidos de não convidar seu país, nem a Nicarágua ou a Venezuela para a Cúpula das Américas, a reunião regional realizada nesta semana em Los Angeles.

“Não há razão para justificar a exclusão antidemocrática e arbitrária de qualquer país do hemisfério para esta reunião continental”, disse um comunicado do Ministério das Relações Exteriores. “Você não pode falar sobre as Américas sem incluir todos os países do hemisfério”, insistiu o pronunciamento.

As autoridades americanas afirmaram que a falta de direitos humanos e as eleições antidemocráticas nesses três países latino-americanos motivaram a decisão de excluir essas nações da Cúpula. Cuba foi convidada para o evento pela primeira vez em 2015, no meio de uma negociação com o então governo do presidente Barack Obama, e novamente em 2018.

A controvérsia sobre os convites ameaçou atrapalhar a Cúpula antes mesmo de começar, depois que o presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, afirmou que boicotaria o evento se Cuba, Nicarágua e Venezuela não fossem convocados. Nesta segunda-feira (6), López Obrador anunciou que não compareceria e que enviaria uma delegação em seu lugar.

Autoridades americanas informaram que ativistas da oposição cubana foram convidados para representar a ilha em Los Angeles, mas alegaram que o governo de Cuba os impedia de viajar para a Cúpula.

O Ministério da Saúde argentino anunciou nesta sexta-feira (27) a identificação de um novo caso suspeito de varíola do macaco. Desta vez o paciente é um cidadão espanhol que está visitando o país. Além disso, a pasta confirmou como positivo o caso de outro homem, isolado desde domingo e já sob tratamento. Em todo o mundo, mais de 300 infecções já foram relatadas.

Através de um comunicado, o Ministério informou que o paciente está na Província de Buenos Aires e não tem ligação com o primeiro caso. “O indivíduo apresenta lesões ulcerativas, sem outros sintomas associados”, diz o documento, especificando que o paciente chegou ao país em 25 de maio e seus sintomas começaram na sexta-feira. As amostras do caso já se encontram em laboratório para diagnóstico etiológico.

Segundo as autoridades sanitárias, está sendo feito um acompanhamento clínico e avaliação epidemiológica de todos os contatos próximos deste segundo paciente, os quais, até esta sexta-feira, não registaram quaisquer sintomas.
O primeiro caso

No domingo passado (22), surgiu o primeiro caso suspeito de varíola do macaco na Argentina: uma pessoa que esteve na Espanha entre 28 de abril e 16 de maio e que, após apresentar os primeiros sintomas, foi imediatamente isolada para tratamento.

Esta sexta-feira, o ministério confirmou que a sequenciação do vírus apresentou “uma elevada percentagem de homologia com sequências do clado da África Ocidental”. Na biologia, um clado é um grupo de seres vivos formado por espécies que compartilham uma característica genética específica, herdada de algum ancestral comum.

“O doente encontra-se em bom estado de saúde, em tratamento para os sintomas, e seus contatos próximos estão sob controle clínico e epidemiológico, sem apresentar sintomas até o momento”, acrescentou o ministério.

O caso de varíola do macaco confirmado na Argentina é o primeiro na América Latina e se soma aos 379 já registrados em todo o mundo, segundo dados fornecidos pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Outros 76 casos ainda aguardam confirmação.

A Rússia fez nesta segunda-feira (25) um novo alerta sobre o fornecimento de armas do Ocidente para a Ucrânia. Por meio de uma nota diplomática e uma entrevista de seu embaixador em Washington, Moscou afirmou que grandes envios de armamento estão inflamando o conflito.

Em paralelo, os Estados Unidos anunciaram um novo pacote de ajuda militar a Kiev, elevando o total desde o início da guerra a US$ 3,7 bilhões. A informação foi confirmada pouco depois de uma visita dos secretários de Estado e Defesa, Antony Blinken e Lloyd Austin, ao presidente ucraniano, Volodimir Zelenski.

O encontro, envolvendo os funcionários americanos de mais alto nível na Ucrânia desde o início da invasão russa, há dois meses, só foi confirmado pela Casa Branca depois que os dois chegaram à Polônia —auxiliares de Zelenski, porém, já tinham confirmado a reunião.

O embaixador russo Anatoli Antonov, que serve em Washington desde 2017, criticou o envio de armas pelo Ocidente sem fazer menção à visita. "O que os americanos estão fazendo é jogar gasolina no fogo. Vejo uma tentativa de dobrar apostas, o que agrava a situação e pode levar a mais perdas", disse ao canal de TV Rússia 24. Ele acrescentou que não teve resposta à nota diplomática que enviou.

O Google Adsense emitiu nota para os editores de conteúdo informando que haverá pausa na monetização de canais que violem as políticas da empresa. Segundo a Google as medidas relacionadas a declarações sobre a guerra na Ucrânia, por exemplo, a política de conteúdo perigoso ou depreciativo proíbe a monetização de conteúdo que incite a violência ou negue eventos trágicos. 

"Esta atualização tem como objetivo esclarecer e, em alguns casos, ampliar nossas orientações para editores relacionadas a este conflito" disse nota. 

Veja nota na íntegra:

Aviso importante: atualização sobre a Ucrânia

Olá, editor,

Devido à guerra na Ucrânia, vamos pausar a monetização de conteúdo que tire proveito, negue ou tolere a guerra.

Já aplicamos medidas relacionadas a declarações sobre a guerra na Ucrânia quando elas violam as políticas existentes. Por exemplo, a política de conteúdo perigoso ou depreciativo proíbe a monetização de conteúdo que incite a violência ou negue eventos trágicos. Esta atualização tem como objetivo esclarecer e, em alguns casos, ampliar nossas orientações para editores relacionadas a este conflito. 

Essa pausa inclui, mas não se limita a declarações que sugerem que as vítimas são responsáveis pela própria tragédia ou exemplos semelhantes de atribuição de culpa a vítimas, como declarações alegando que a Ucrânia está cometendo genocídio ou está atacando os próprios cidadãos de maneira intencional.

Atenciosamente,
Equipe do Google AdSense.

A Itália registrou 169 mortes por Covid-19, elevando para 161.032 as vítimas da pandemia no país, informou o Ministério da Saúde no boletim diário desta terça-feira (12). Foram ainda 83.643 novos casos, que totalizam 15.404.809 os contágios na crise sanitária.
As médias móveis dos dois principais índices seguem em queda. A de infecções caiu de 62.742 para 62.095, um número 13% menor do que no mesmo dia da semana passada; já a de mortes caiu de 136 para 133 (dado 3% menor).

O que segue em bastante oscilação, como ocorre nas últimas semanas, é a quantidade de pessoas internadas: são 10.207 sob observação médica e 463 em unidades de terapia intensiva - ambos os dados em queda após dois dias de alta. Já os pacientes que necessitam apenas de isolamento domiciliar (infecções leves ou assintomáticas) caíram para 1.218.075.
Foram realizados ainda 563.018 testes para detectar o coronavírus Sars-CoV-2, número bem acima dos 192,7 mil exames feitos na segunda-feira. A taxa de positividade se mantém estável em 14,8%.

Vacinação idosos e remédio - O diretor-geral da Agência Italiana de Medicamentos, Nicola Magrini, afirmou que, a partir desta terça-feira, "entra em vigor a recomendação para vacinar as pessoas com mais de 80 anos com a segunda dose de reforço ou quarta dose".

"Nos próximos meses, será possível verificar uma redução na cobertura da vacina, mesmo se os dados ainda não publicados mostram que elas conseguem aguentar um pouco nessa faixa etária", acrescentou.

Já o presidente do Conselho Superior de Saúde (CSS), Franco Locatelli, afirmou que as cerca de 500 pessoas internadas em UTIs "mostram a eficácia da vacina contra a doença grave". Em outro momentos da pandemia sem a vacinação ampla, o número estava na casa dos milhares.

 "A segunda dose de reforço nos idosos dá uma proteção quatro vezes maior em relação a quem recebeu três doses", pontuou ainda.

Outra boa notícia dada por Magrini é que os antivirais contra a Covid-19, como o Paxlovid, começarão a ser distribuídos para as farmácias. Atualmente, eles são distribuídos em caso de diagnóstico positivo para quem tem, ao menos, um fator de risco para a doença. (ANSA).

OUÇAWEB RÁDIO ITIRUSSU

Notícias de Itiruçu

Anúncios


Notícias do Esporte

Instagram

Facebook