Arrow
NOTÍCIA EM DESTAQUE

Itiruçuense Lara Pelagatti vence o Concurso Miss Bahia Teen 2019

A itirucuense Lara Giovanna Pelagatti de 16 anos, conquistou na noite deste sábado (17/08)no Teatro Diplomata, em Patamares na capital baiana, o título da 10ª edição do Concurso Miss & Mister Bahia Teen 2019 , representando a cidade de Itiruçu. A menina foi avaliada por um corpo de 12 jurados que são formadores de opiniões e profissionais da área de moda, fotografia, estética, jornalista, produtores, e Ex-Miss e Mister Bahia, sendo eleita a Miss Bahia Teen 2019 . Com tema “Revivendo as tradições Baianas” foram avaliados postura, andamento, simpatia, plástica, desenvoltura, estética e beleza com notas de 01 (um) a 05 (cinco)...CONTINUE LENDO
Estamos trabalhando para transmissão online em breve



HISTÓRIAS QUE O POVO CONTA

Dazo: Um exemplo de vida
Figura muito dócil e querida em toda Itiruçu, alegre e de temperamento fácil, cativante e prestativo; Estou falando de Gildásio Rodrigues de Souza, ou simplesmente DAZO, filho de D. Cecília, irmão de Lucy e Jaime Boró, e cunhado de Didi...
CONTINUE LENDO

EDITORIAL

A Fé realiza os desejos de nossos corações


A Fé é acreditar que uma coisa é verdade e agir de acordo com essa crença. Todo mundo tem fé em alguma coisa. A Bíblia diz que devemos ter fé em Deus e no Seu poder para mudar nossa vida. Somos salvos pela fé em Jesus. - Hebreus 11:6.
...CONTINUE LENDO
VERSÍCULOS BÍBLICOS

BÍBLIA!
PARE! LEIA! REFLITA! PRATIQUE!
CLIQUE AQUI

Projeto lei de Zé Cocá, fortalece cadeia produtiva de leite na Bahia

Por: Redação Itiruçu Notícias - sábado, 16 de fevereiro de 2019 - 0 Comentários


O deputado Zé Cocá (PP) protocolou na Assembleia Legislativa da Bahia (Alba) projeto de lei que determina a obrigatoriedade da aquisição de leites e derivados junto aos produtores rurais da Bahia, nas licitações publicadas pela administração pública estadual, em que haja a necessidade do fornecimento de laticínios. 

O parlamentar acredita que a aprovação do PL irá favorecer o fortalecimento da cadeia produtiva do leite no estado, provocando o desenvolvimento e o fortalecimento da economia baiana.“Os modelos arcaicos e tradicionais de exploração de leite ainda persistem e convivem com sistemas de produção modernos e propriedades tecnificadas, gerando um grande contraste na exploração da atividade leiteira. 

Mesmo com indicadores de eficiência abaixo do mínimo necessário para viabilizar a atividade, considerando a média da região, a pecuária de leite exerce uma relação mais do que intrínseca na vida dos nordestinos, demonstrando grande importância socioeconômica”, destacou o parlamentar.

Ao justificar a proposição, Zé Cocá lembrou que no período de 2000 a 2010, a produção de leite no Nordeste apresentou um expressivo crescimento (95,5%), inclusive acima da média nacional (55,4%). Segundo ele, dentre os estados nordestinos, a Bahia é o maior produtor de leite, com resultado anual de 700 milhões de litros, sendo responsável por 40% da produção de leite do Nordeste.

No entanto, o deputado observou que esta participação vem diminuindo nas duas últimas décadas e, fazendo uma análise entre 1990 e 2010, os estados de Pernambuco, Sergipe e Maranhão apresentaram um aumento na participação do total de leite produzido no Nordeste, enquanto os demais apresentaram um decréscimo.

“Mesmo tendo o terceiro maior rebanho leiteiro do país, a Bahia ocupa somente o 23º lugar quan-do se trata de produtividade por vaca ordenhada. O volume de leite produzido aqui no estado não consegue sequer atender o consumo interno”. Segundo ele, seria necessário um aumento de produção de 1,6 bilhão de litros para suprir a demanda estadual.

Ainda no documento, o progressista frisou que a produção leiteira na Bahia é 80% composta por pequenos pecuaristas que produzem uma média de 21 litros de leite por dia, por propriedade. Um índice que, de acordo com Zé Cocá, representa uma produção média cerca de 50 vezes menos do que as fazendas da Argentina e 40 vezes menos que as do Uruguai.

“A Bahia tem potencial para produzir muito mais que a maioria dos estados brasileiros. No entanto, a falta de organização e diálogo entre os elos da cadeia produtiva do leite, resulta numa produção dispersa e sem força para pleitear ações que ofereçam aos produtores capacidade técnica e gerencial, extensão rural de qualidade, defesa sanitária e combate ao leite clandestino, que hoje representa entre 40% e 50% da produção total do estado”, pontuou.


Não se esqueça de ler isso também ...

Nenhum comentário:

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do Itiruçu Notícias; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Colaboradores






MAIS LIDAS DO MÊS