Onda de ataques no Ceará é considerado com terrorismo - Itiruçu Notícias - Itiruçu e Região conectados com a informação
Arrow

NOTÍCIA EM DESTAQUE

Itiruçu: Plantão Escolar de matriculas vão até dia 08/02

A secretaria de Educação  do município de Itiruçu está realizado o esquema de plantão escolar matriculas em toda rede municipal de ens...


EDITORIAL

Refletindo: Histórias da politica de Itiruçu: O Otimista

Essa quem contava era o saudoso amigo Aguinaldo Pires (Gal Pires), ex- vereador e ex-presidente da câmara de Itiruçu, grande contador de causo, que morreu há três anos em um trágico acidente na BR-116 nas imediações de Itatim – BA.
1962, ano de eleição, em Itiruçu a disputa foi entre Valdeck Almeida (UDN), candidato do ex- prefeito Zé Bonfim e Josias Duarte (PSD), apoiado por Vivaldo Bastos e pelo ex-prefeito Geir Magalhães, tinha o povoado do Upabuçu como seu reduto eleitoral. Em um comício em Upabuçu, Josias percebeu certo desânimo no eleitorado, a incerteza da vitória era flagrante.
CONTINUE LENDO


COLUNA Êta lê lê



Êta lê lê Segunda-feira gorda do foguetório

Ao ter suas contas aprovadas por 7 a 2 na última sessão da Câmara de Vereadores da Boa Terra, o ex-prefeito Wagner Novaes era só alegria. Como os estampidos das bombas eram ouvidos nos quatro cantos da cidade, muitos ficaram imaginando o que teria acontecido:

"Quem chegou ou está indo para Bom Jesus da Lapa?";
"Hoje é festa de que Santo?";
"Aniversário de quem?";
"Quem tá jogando hoje?"

O que muitos não sabiam, era que a festa tinha um nome, Wagner Novaes. Este celebrava a vitória em casa, já que um pouco distante, 7 edis lhe dariam a honra de aprovar as suas contas públicas.

CONTINUE LENDO


MAIS LIDAS DO MÊS


Onda de ataques no Ceará é considerado com terrorismo

Por: Redação Itiruçu Notícias - domingo, 13 de janeiro de 2019 - 0 Comentários


A onda de ataques que se espalhou pelo Ceará entrou neste sábado (12) no décimo primeiro dia, diante de uma população assustada por atos de vandalismo, que o presidente Jair Bolsonaro qualificou de "terrorismo" e que o envio da Força Nacional de Segurança não conseguiu frear.
"Suas ações, como incendiar, explodir... bens públicos ou privados, devem ser tipificados como TERRORISMO", tweetou esta manhã o presidente.

Desde o início dos distúrbios, em 2 de janeiro, as autoridades locais contabilizaram mais de 200 ataques em 43 cidades cearenses e a Polícia deteve mais de 330 pessoas.
Esta onda de violência foi desatada depois que o novo secretário estadual de Administração Penitenciária, Luís Mauro Albuquerque, anunciou um endurecimento das condições da detenção para impedir que facções criminosas comandem suas operações de dentro dos presídios.

Nos últimos dez dias, integrantes de bandos de narcotraficantes atacaram bancos, ônibus e inclusive delegacias, semeando o medo na população de um dos estados mais violentos do país, com nove milhões de habitantes.
Os ataques  que começaram na capital, Fortaleza, e se estenderam depois para o interior do estado - afetaram a circulação de ônibus, a coleta de lixo e o funcionamento de lojas.
"Na realidade, é insegurança total porque ficou bem complicado. A gente está à mercê dos bandidos", contou à AFP Juliana Monteiro, uma caixa de 31 anos que trabalha em Fortaleza e que há dias não sabe como voltar para casa depois do expediente.

Na madrugada deste sábado, criminosos derrubaram uma torre de transmissão de energia elétrica em Maracanaú, arredores de Fortaleza, onde alguns bairros ficaram sem luz durante horas. Uma bomba também explodiu na porta de uma concessionária de veículos.
A chegada de 300 homens da Força Nacional de Segurança, há uma semana, diminuiu a intensidade dos ataques, mas não conseguiu erradicá-los, e por isso um novo contingente de 200 homens foi enviado na terça-feira.

Embora seja possível ver efetivos desta força patrulhando as ruas de Fortaleza, os altos de vandalismo continuaram, afetando também o turismo em um estado com praias paradisíacas e muito procurado no verão.
O governador do Ceará, Camilo Santana, do PT, havia pedido em duas oportunidades o envio da Força Nacional antes de o novo ministro da Justiça, Sérgio Moro, autorizá-la na sexta-feira passada.
Na quinta, Santana disse que os atos de violência eram uma reação do crime organizado à suspensão de privilégios nos presídios feita por seu governo e que ele não pensa voltar atrás.

Os planos de sua administração, em especial do secretário de Administração Penitenciária, desataram a ira de facções de narcotraficantes, que chegaram a deixar suas rivalidades internas de lado para intensificar os ataques.
Estas mudanças, que pretendem reduzir a criminalidade no terceiro estado com maior taxa de homicídios do país, incluem o bloqueio de sinais de celulares nas prisões e o fim da separação de detentos por facções que controlam os presídios.

O Brasil tem a terceira maior população carcerária do mundo, atrás de Estados Unidos e China, com quase 730.000 detentos em 2016. As penitenciárias sofrem com superlotação e são frequentemente cenário de confrontos brutais entre facções do crime organizado


Não se esqueça de ler isso também ...

Nenhum comentário:

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do Itiruçu Notícias; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Colaboradores