A brincadeira do "desafio dos dez anos" pode não ser tão inofensiva assim - Itiruçu Notícias - Itiruçu e Região conectados com a informação
Arrow
HISTÓRIAS QUE O POVO CONTA

A história que o povo conta; O Retratista

Este veículo marcou época em Itiruçu, no final da década de 60 e início da década de 70. De cor provavelmente verde-escura e ano de fabricação 1954.
Estacionada em frente ao Grupo Escolar Francisco Mangabeira, atual Secretaria de Educação , tendo a bordo: ...
CONTINUE LENDO

EDITORIAL

Desejo de manter foco


Parece que está se tornando cada vez mais difícil nos concentrarmos numa única coisa por muito tempo. A sociedade moderna definitivamente tem nos levado a manter períodos curtos de atenção. Se assistirmos qualquer programa de tevê ou filme, vamos notar como as coisas se movem rapidamente e o ritmo acelerado do enredo. Um comercial típico de tevê muda as imagens a cada poucos segundos, às vezes menos. A lógica é: se não capturarmos a atenção do indivíduo imediatamente. ele vai se voltar para outra coisa.
Com tantas coisas competindo por nossa energia mental, que vão da Internet passando pelas mensagens de texto e e-mails, é de admirar que ainda sejamos capazes de concentrar o foco em alguma coisa.
...CONTINUE LENDO
VERSÍCULOS BIBLÍCOS
BÍBLIA!
PARE! LEIA! REFLITA! PRATIQUE!
CLIQUE AQUI

A brincadeira do "desafio dos dez anos" pode não ser tão inofensiva assim

Por: Redação Itiruçu Notícias - sexta-feira, 18 de janeiro de 2019 - 0 Comentários


Se você abrir suas redes sociais nesta semana, uma das primeiras publicações que vai encontrar é uma comparação de fotos de como seu amigo está hoje e de como ele era 10 anos atrás. O “desafio dos dez anos“, compartilhado por meio da hashtag em inglês #10yearchallenge, ganhou repercussão no mundo todo.
Muita gente fez parte da brincadeira, mas, com certeza, quase ninguém enxergou a perspectiva de que esse meme inofensivo também pode ser uma ampla fonte de informações para que empresas treinem inteligências artificiais para reconhecerem idades e identificarem padrões de transformação ao longo dos anos.

Quem chamou atenção para esse ponto foi a especialista em tecnologia e empreendedora Kate O’Neill, que publicou em seu Twitter: “Eu há dez anos: provavelmente teria entrado na brincadeira e postado minhas fotos no Facebook e Instagram. Eu hoje: penso em como todos esses dados podem ser usados para treinar algoritmos de reconhecimento facial para reconhecerem o envelhecimento e sua progressão” (em tradução livre).

Após a viralização de sua publicação, Kate disse à revista Wired que não tinha a intenção de afirmar que o “desafio” era inerentemente perigoso, mas que acredita que este é um cenário amplamente plausível e reconhecimento facial é uma tendência que as pessoas devem estar cientes. Para ela, é importante considerar a profundidade e a amplitude dos dados pessoais que são compartilhados, muitas vezes, sem pensar.

Em resposta a ela, muitos internautas afirmaram que a maioria das pessoas já têm contas em redes sociais há 10 anos ou mais, portanto essas fotos já estavam disponíveis há décadas. O’Neill argumenta que, usando esse método, talvez haja muito ruído entre os dados. “Em outras palavras, ajudaria ter um conjunto simples e rotulado de fotos de antes e depois”, afirmou.

Apesar de ser a autora da crítica, Kate defende que também há aplicações positivas para a tecnologia. Reconhecimento facial e progressão de idade poderiam ajudar a encontrar crianças desaparecidas, por exemplo.
De acordo com ela, no ano passado, a polícia de Nova Delhi, na Índia, achou quase 3 mil crianças desaparecidas em apenas quatro dias usando a tecnologia de reconhecimento facial. Crianças que sumiram há muito tempo podem se beneficiar dos algoritmos capazes de prever a aparência delas no futuro.

Para o mercado da publicidade e marketing, o uso da tecnologia poderia contribuir para a adaptação de propagandas a diferentes grupos etários, mudando o rosto dos personagens da campanha de acordo com a idade da pessoa que está assistindo ao vídeo.
Em um cenário mais pessimista, Kate alerta que a capacidade de identificar o envelhecimento pode ser usada por empresas do setor de saúde e seguros. “Se você parece envelhecer mais rápido do que seus pares, talvez isso represente um risco maior para o seu plano de saúde”, diz ela.

De qualquer forma, o fato é que, de fato, as pessoas são uma enorme fonte de dados para a tecnologia. “Nossos dados são o combustível que torna os negócios mais inteligentes e mais lucrativos. Devemos demandar que as empresas os tratem com o respeito devido. Mas também precisamos tratar nossos dados com respeito”, conclui Kate.


Não se esqueça de ler isso também ...

Nenhum comentário:

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do Itiruçu Notícias; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Colaboradores






MAIS LIDAS DO MÊS