Juri popular condena homens acusados de homicídios em Itiruçu - Itiruçu Notícias - Itiruçu e Região conectados com a informação
Arrow
HISTÓRIAS QUE O POVO CONTA

A história que o povo conta; O Retratista

Este veículo marcou época em Itiruçu, no final da década de 60 e início da década de 70. De cor provavelmente verde-escura e ano de fabricação 1954.
Estacionada em frente ao Grupo Escolar Francisco Mangabeira, atual Secretaria de Educação , tendo a bordo: ...
CONTINUE LENDO

EDITORIAL

Desejo de manter foco


Parece que está se tornando cada vez mais difícil nos concentrarmos numa única coisa por muito tempo. A sociedade moderna definitivamente tem nos levado a manter períodos curtos de atenção. Se assistirmos qualquer programa de tevê ou filme, vamos notar como as coisas se movem rapidamente e o ritmo acelerado do enredo. Um comercial típico de tevê muda as imagens a cada poucos segundos, às vezes menos. A lógica é: se não capturarmos a atenção do indivíduo imediatamente. ele vai se voltar para outra coisa.
Com tantas coisas competindo por nossa energia mental, que vão da Internet passando pelas mensagens de texto e e-mails, é de admirar que ainda sejamos capazes de concentrar o foco em alguma coisa.
...CONTINUE LENDO
VERSÍCULOS BIBLÍCOS
BÍBLIA!
PARE! LEIA! REFLITA! PRATIQUE!
CLIQUE AQUI

Juri popular condena homens acusados de homicídios em Itiruçu

Por: Ed Santos - segunda-feira, 10 de dezembro de 2018 - 0 Comentários



Em júri popular na última sexta feira (7), na Câmara de vereadores de Itiruçu, a justiça condenou mais uma vez o jovem Uilton de Jesus Santos, natural de Itapetinga, foi condenado a 14 anos de prisão em regime fechado pela morte de Alessandro Cordeiro dos Santos, de 30 anos, conhecido por Nâna, morto dentro de sua residência na Rua do Café a tiros e com uma pedrada, por dividas com entorpecentes, crime ocorrido em 6 de Abril de 2015. No mesmo julgamento foi condenado a 15 anos de reclusão também pela participação na mesma morte o jovem Rodrigo Senhora, natural de Jaguaquara. Segundo informações por ter confessado, Uilton teve a pena menor de 15 para 14 anos, já Rodrigo, não teve redução, pois negou participação no crime.

Segundo a polícia e o Promotor de Justiça Dr Lúcio Meira Mendes, que presidia a peça de acusação, em depoimento Uilton teria confirmado a participação de Rodrigo num primeiro depoimento. Em seguida ele em outro depoimento negou. Inclusive no dia da audiência Uilton disse que fez o crime só, afirmação que não convenceu o promotor que argumentava ao jurado dos indícios que comprovava a participação de Rodrigo, que por fim pegou pena maior.

O advogado de defesa Nilton Sena tentou inocentar seu cliente Rodrigo, e uma condenação mais branda para Uilton argumentando que as acusações da peça policial era uma farsa, mas não obteve êxito ao ser rebatido pela promotoria.

O júri foi presidido pela juíza da Comarca Drª Andreia Sodré Leal Palmarela, titular da comarca.

Uilton já havia sido condenado no dia 10 de maio de 2017 a 14 anos de prisão em regime fechado pela morte de Adaílson Brito Santana, vulgo Caqui, 39 anos, crime ocorrida em 04/04/2015. Na época Caqui foi encontrado morto  na Rua Galdino Oliveira, travessa com a Rua Adolfo Elias de Andrade, no Centro de Itiruçu, na imediações do Colégio Municipal Adalício Silva Novaes.

Em júri popular na última sexta feira (7), na Câmara de vereadores de Itiruçu, a justiça condenou mais uma vez o jovem Uilton de Jesus Santos, natural de Itapetinga, foi condenado a 14 anos de prisão em regime fechado pela morte de Alessandro Cordeiro dos Santos, de 30 anos, conhecido por Nâna, morto dentro de sua residência na Rua do Café a tiros e com uma pedrada, por dividas com entorpecentes, crime ocorrido em 6 de Abril de 2015. No mesmo julgamento foi condenado a 15 anos de reclusão também pela participação na mesma morte o jovem Rodrigo Senhora, natural de Jaguaquara. Segundo informações por ter confessado, Uilton teve a pena menor de 15 para 14 anos, já Rodrigo, não teve redução, pois negou participação no crime.

Segundo a polícia e o Promotor de Justiça Dr Lúcio Meira Mendes, que presidia a peça de acusação, em depoimento Uilton teria confirmado a participação de Rodrigo num primeiro depoimento. Em seguida ele em outro depoimento negou. Inclusive no dia da audiência Uilton disse que fez o crime só, afirmação que não convenceu o promotor que argumentava ao jurado dos indícios que comprovava a participação de Rodrigo, que por fim pegou pena maior.

O advogado de defesa Nilton Sena tentou inocentar seu cliente Rodrigo, e uma condenação mais branda para Uilton argumentando que as acusações da peça policial era uma farsa, mas não obteve êxito ao ser rebatido pela promotoria.

O júri foi presidido pela juíza da Comarca Drª Andreia Sodré Leal Palmarela, titular da comarca.

Uilton já havia sido condenado no dia 10 de maio de 2017 a 14 anos de prisão em regime fechado pela morte de Adaílson Brito Santana, vulgo Caqui, 39 anos, crime ocorrida em 04/04/2015. Adaílson, popular Caqui, foi encontrado morto  na Rua Galdino Oliveira, travessa com a Rua Adolfo Elias de Andrade, no Centro de Itiruçu, defronte a Escola Municipal Adalício Novaes, na 07 Portas. 
Das condenações a defesa poderá recorrer.


Não se esqueça de ler isso também ...

Nenhum comentário:

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do Itiruçu Notícias; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Colaboradores






MAIS LIDAS DO MÊS