Julho é mês de Conscientização do Câncer de Bexiga - Itiruçu Notícias
Arrow
Cores da Saúde: Julho Amarelo alerta sobre câncer nos ossos



Passeio Cicloturismo de Itiruçu


EDITORIAL

Reflexão do sofrimento superado pela Fé

As lágrimas escorrem como sangue de uma ferida, difícil de estancar.
As batidas do coração doem a cada pulsação.
O olhar que não encontra uma saída nem mesmo alguém que possa compreender, quando se está no chão.
Não há uma mão pra te levantar, mas várias para te empurra no abismo. Apagar a luz no fim do túnel com um sopro para que não enxergue a saída.
Mas com tua em fé em Deus, louvai, porque ele é bom
Em Salmos 107.06 diz “E clamaram ao Senhor na sua angústia, e os livrou das suas dificuldades.”
Pois Deus conhece as duas dores e os seus sofrimento .
Os retos o verão, e se alegrarão, e toda a maldade tapará a boca.
Quem é sábio observará estas coisas, e eles compreenderão as bondades do Senhor. Salmos 107:42,43 CONTINUE LENDO


COLUNISTAS



Coluna Joselito Fróes: Êta lê lê! : O Bar São Jorge

Existem certas relíquias que o tempo faz questão de perpetuar. Passa-se o tempo e a suas lembranças continuam vivas em nossos corações...


MAIS LIDAS DO MÊS


Julho é mês de Conscientização do Câncer de Bexiga

Por: Redação Itiruçu Notícias - domingo, 1 de julho de 2018 - 0 Comentários

Campanha Cores da Saúde tem apoio do Itiruçu Noticias Programa 1º Jornal da Itiruçu FM


Julho é Mês de Conscientização do Câncer de Bexiga e, aproveitando a data, o Instituto Oncoguia explica para você como se desenvolve a neoplasia originária no órgão que armazena a urina.
Conhecer sintomas do câncer de bexiga é mais que importante. Isso porque, eles são facilmente confundidos com sinais de doenças mais comuns, como a infecção urinária. A negligencia dos sintomas e a consequente demora na busca por atendimento médico podem levar a diagnósticos em estágios avançados.

O que é o Câncer de Bexiga

É a neoplasia que acomete o epitélio de revestimento, ou as células que revestem a bexiga - órgão que armazena a urina - internamente.

A Incidência
O câncer de bexiga tem baixa incidência, em comparação a outras neoplasias urológicas. Em 2012, a estimativa de novos casos (INCA) foi de 8.900 - sendo 6.210 em homens e 2.690 em mulheres. Apenas a título de comparação, no mesmo ano (2012), o número de novos casos de câncer de próstata - que por sua vez atinge apenas homens - foi de mais de 60.000 casos.

Os Tipos mais Comuns
Dr. Schutz explica que os dois principais tipos de câncer de bexiga são os superficiais (que não invadem a camada muscular da bexiga) e aqueles que invadem a camada muscular. Os superficiais, que se limitam às células que revestem a bexiga internamente, têm maior incidência e são mais facilmente tratáveis.

Fatores de Risco
"O tabagismo é o principal. Pessoas idosas e que fumam por muitos anos estão entre aquelas com maior risco de desenvolver a doença", explica Dr. Schutz. Em menor grau, a exposição ocupacional a agentes carcinógenos, como benzeno, e irritações crônicas na bexiga, como infecções e cálculos, também predispõe à doença. Segundo o oncologista é difícil, hoje, mensurar o risco hereditário do câncer de bexiga. "Mas, dentre os tipos histológicos, o carcinoma de células transicionais, têm alguma ligação".

Sinais e Sintomas
"O principal sintoma do câncer de bexiga, tanto na doença inicial quanto na metastática, é o sangue na urina", diz Dr. Schutz. O oncologista aponta que o sangramento é condição comum a outras neoplasias, como o tumor de rim e de ureter. Outro sinal do câncer de bexiga é o desconforto ao urinar: "Geralmente o indivíduo começa a ter ardência e dor ao urinar". Alterações no hábito urinário, como o aumento de frequência, sensação de dor ou queimação e urgência em urinar, mesmo que a bexiga não esteja cheia, também são sinais que devem ser avaliados. "São sintomas que devem gerar um grau de suspeita. Nestes casos, é importante que o médico solicite exames, como o de urina".

Rastreamento
Não existem hoje, no Brasil e no mundo, estratégias de rastreamento do câncer de bexiga. "Não porque não seja eficaz. A razão é que não há interesse em se fazer pesquisas a respeito, por se tratar de doença relativamente rara", diz Dr. Schutz. O médico acrescenta que apenas as pessoas que já foram acometidas pelo câncer de bexiga superficial, ou pela neoplasia de ureter (que acomete o mesmo epitélio da bexiga), são seguidas e monitoradas.

Tratamentos
O tratamento depende do quão profundo foi a invasão do tumor na parede da bexiga. Os tumores superficiais são manejados por via endoscópica, ou seja, 'raspados' (ressecados) com determinado dispositivo para a posterior análise do material ressecado. O tumor não tendo atingido a camada muscular, o tratamento é complementado através da imunoterapia, com a vacina BCG. "Nestes casos, é o urologista quem acompanha o paciente, e não o oncologista".

Quando o tumor é mais profundo, ou seja, se infiltra na bexiga e atinge a camada muscular, a indicação é o tratamento radical. "Nestes casos, remove-se a bexiga por completo, assim como os linfonodos - mesmo que não estejam comprometidos". A combinação de químio e radioterapia é geralmente sugerida para tratar a doença invasiva. Os pacientes que passam pela cirurgia radical têm o jato urinário desviado. Em alguns casos, é possível "construir cirurgicamente” uma nova bexiga a partir do tecido intestinal.

Metástase
Caso o tumor atinja a camada muscular o órgão, terá mais chance de migração para os linfonodos. Além desta disseminação para os linfonodos, metástases do câncer de bexiga podem ocorrer no fígado, pulmões e ossos (e mais raramente em outros órgãos).

Como o Paciente Brasileiro vem sendo Tratado
"Quando falamos em tumores superficiais, de baixa complexidade, o tratamento praticado no mundo todo é coberto no Brasil, tanto na saúde pública quando privada. Mas quando falamos na doença avançada, começamos a ter problemas", aponta o médico.

Ele diz que embora seja determinante a quimioterapia preventiva nos casos em que após a ressecção do tumor observa-se a invasão de outras camadas além da mucosa, por alguma razão, os pacientes não são encaminhados ao oncologista e ao tratamento adjuvante (pós-operatório). "Esse desafio não é somente nosso. Isso acontece, também, na Europa e Estados Unidos. O urologista demora a encaminhar o paciente ou nem mesmo encaminha". Um segundo aspecto que dificulta o tratamento apropriado é que, em muitos casos, mesmo antes da cirurgia os pacientes deveriam receber quimioterapia. Para que isto ocorra, o urologista, que é o primeiro médico a receber estes pacientes, precisaria coordenar junto com o oncologista o tratamento de maneira mais personalizada, e isto nem sempre é factível.

Sobre a cobertura de quimioterapia pelo Sistema Único de Saúde, o oncologista conclui: "Infelizmente o SUS ainda não cobre as melhores medicações que poderiam ajudar a prevenir a recidiva, ou que poderiam ajudar no tratamento da doença metastática".
O Portal Oncoguia, com a colaboração do 
Dr. Fábio Schutz, oncologista do Hospital São José (SP)


Não se esqueça de ler isso também ...

Nenhum comentário:

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do Itiruçu Notícias; a responsabilidade é do autor da mensagem.

PARCEIROS



 photo GS-SOMgif_zpszfpbff8c.gif
 photo GS-SOMgif_zpszfpbff8c.gif



São Pedro 2018

Melhores momentos - Por Wilson Novaes