Assassino de menina morta em SP esteve no velório - Itiruçu Notícias - Notícias de Itiruçu da Região, da Bahia e do Brasil
Arrow

NOTÍCIA EM DESTAQUE

O Brasil não terá mais cubanos no Programa mais Médicos

Depois de “ameaçadoras e depreciativas” de Bolsonaro Cuba chama de volta os médicos O Ministério da Saúde Pública de Cuba anunciou na...


Passeio Cicloturismo de Itiruçu



EDITORIAL

Refletindo: A verdadeira política do verdadeiro cristão

O Evangelho é o caminho da verdade e da vida eterna, a política é o caminho do cidadão onde interfere diretamente na sua vida terrena (ALIMENTAÇÃO, MORADIA, SAUDE, EDUCAÇÃO, ESPORTE LAZER ETC.)

O Evangelho busca a paz espiritual, quanto à política favorece ou dificulta à vida da comunidade, porém um povo evangelizado com certeza a política só faz favorecer, pois a comunidade sabe o que é o melhor para ela.
A política não se reúne em atividades partidárias, eleições, lideres etc. e sim em um conjunto de atividades que o cidadão deve sentir com o seu dever e direito de estar presente, compromisso da realidade social, não pregando discórdia e sim a união porque o cristianismo deve evangelizar na totalidade da existência humana, inclusive na dimensão da política.

CONTINUE LENDO


COLUNISTAS




MAIS LIDAS DO MÊS


Assassino de menina morta em SP esteve no velório

Por: Redação Itiruçu Notícias - quinta-feira, 21 de junho de 2018 - 0 Comentários

Investigadores levantam a hipótese dela ter sido levada por algum conhecido da família



A Polícia recolheu diversas ameaças à mãe de Vitória Gabrielly Guimarães Vaz, de 12 anos, morta após dias desaparecida em Araçariguama, no interior de São Paulo. O autor das mensagens, ainda não identificado, se diz o assassino da garota e afirma que esteve no velório e que não levantou suspeitas.
O caso ficou conhecido pois a menina foi vista pela última vez andando de patins nos arredores de casa; o pisante foi encontrado junto do corpo de Vitória, em um matagal na Estrada de Aparecidinha, oito dias após desaparecer.
Logo após o velório, a polícia recolheu os celulares dos pais, familiares e amigos próximos de Vitória para averiguar ameaças recebidas por meio de mensagens de texto.
Nas mensagens, o autor diz: “O tempo todo estive no velório e ninguém suspeitou de mim”. As ameaças já ocorriam antes mesmo do rapto da garota, mas permaneceram durante o desaparecimento e até após o corpo ser encontrado. Assustada, a família deixou a residência.
Inicialmente, a polícia acreditava que a menina teria sido morta por engano, confundida com alguém da família de alguém que devia dinheiro a traficantes. 
Reprodução/TV Tem


Não se esqueça de ler isso também ...

Nenhum comentário:

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do Itiruçu Notícias; a responsabilidade é do autor da mensagem.

PARCEIROS



 photo GS-SOMgif_zpszfpbff8c.gif
 photo GS-SOMgif_zpszfpbff8c.gif

Campanha de Doação