Prédio que desabou foi sede da PF em SP e já deteve o Nobel da Paz - Itiruçu Notícias
Arrow
Campeonato Brasileiro Serie C - Juazeirense x Remo Ao Vivo

Campanha Cores da Saúde



EDITORIAL

Reflexão do sofrimento superado pela Fé

As lágrimas escorrem como sangue de uma ferida, difícil de estancar.
As batidas do coração doem a cada pulsação.
O olhar que não encontra uma saída nem mesmo alguém que possa compreender, quando se está no chão.
Não há uma mão pra te levantar, mas várias para te empurra no abismo. Apagar a luz no fim do túnel com um sopro para que não enxergue a saída.
Mas com tua em fé em Deus, louvai, porque ele é bom
Em Salmos 107.06 diz “E clamaram ao Senhor na sua angústia, e os livrou das suas dificuldades.”
Pois Deus conhece as duas dores e os seus sofrimento .
Os retos o verão, e se alegrarão, e toda a maldade tapará a boca.
Quem é sábio observará estas coisas, e eles compreenderão as bondades do Senhor. Salmos 107:42,43 CONTINUE LENDO

COLUNISTAS



Coluna Joselito Fróes: Êta lê lê! : O Bar São Jorge

Existem certas relíquias que o tempo faz questão de perpetuar. Passa-se o tempo e a suas lembranças continuam vivas em nossos corações...


MAIS LIDAS DO MÊS


Prédio que desabou foi sede da PF em SP e já deteve o Nobel da Paz

Por: Ed Santos - quarta-feira, 2 de maio de 2018 - 0 Comentários

Na madrugada desta terça-feira (01/05) um prédio de 24 andares localizado no Largo do Paissandu, no centro de São Paulo, desabou após um incêndio. A antiga sede da Polícia Federal (PF), localizada na esquina da rua Antônio Godoy com a Avenida Rio Branco, já deteve o Nobel da Paz Pérez Esquivel e atualmente era ocupada pelo Movimento de Luta Social por Moradia. Veja alguns fatos sobre o edifício:

Detenção do Nobel da Paz Pérez Esquivel

O argentino Adolfo Pérez Esquivel, vencedor do Prêmio Nobel da Paz, foi detido em 1981 no edifício da Antônio Godoy, então sede da Polícia Federal, após criticar a Lei de Anistia, criada em 1979.

A PF, então dirigida pelo delegado Nélson Marabuto, foi cercada por centenas de pessoas em protesto contra a sua detenção. Preocupado com a repercussão que o caso poderia gerar, Paulo Maluf, então governador do estado, ligou para a PF pedindo que Esquivel fosse solto.  Dom Paulo Evaristo Arns, que na época ocupava o posto de cardeal arcebispo de São Paulo, também exigiu a soltura do argentino, que foi libertado horas depois.

Prisão de Tommaso Buscetta

Dois anos depois, em 1983, a sede da PF voltou ao noticiário após anunciar a prisão do mafioso italiano Tommaso Buscetta. Agora com a PF sob as ordens do delegado Romeu Tuma, Buscetta foi encaminhado aos Estados Unidos, onde delatou organizações italianas. Buscetta foi um dos mais importantes membros da máfia siciliana Cosa Nostra.

Josef Mengele

Mas foi em 1985, quando as ossadas do carrasco nazista Josef Mengele foram descobertas em um cemitério da Grande São Paulo, que o edifício ganhou a atenção central da mídia brasileira,.

A polícia da Alemanha passou a desconfiar da presença de Mengele no Brasil depois que cartas destinadas ao seu filho foram apreendidas. Por meio de um relatório encaminhado pelo governo alemão e pelo setor de inteligência dos Estados Unidos, Tuma, ainda chefe da PF em São Paulo, tomou conhecimento do caso.

Após a exumação, foi constatado que Mengele havia mesmo sido enterrado na cidade usando um nome falso. A sede da PF foi usada para colher depoimentos sobre o caso e tentar entender qual foi o trajeto do nazista no Brasil.

Ocupações

Após a sede da PF ser transferida para a Lapa, o edifício passou a alojar o Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), que permaneceu no local somente até 2009, ano em que o prédio ficou ocioso.

De lá para cá, em diversos momentos o edifício serviu como ocupação de movimentos sociais que reivindicam o direito à moradia. O local já foi ocupado pela Frente de Luta por Moradia (FLM) e pelo Movimento de Luta por Moradia Digna.

No entanto, segundo informações do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST), o edifício atualmente estava sendo ocupado pelo Movimento de Luta Social por Moradia (MLSM).

Licitação

Em 2015, o prédio foi colocado à venda pela União, em um edital preparado pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Segundo o documento, o preço mínimo de venda na época foi de R$ 21,5 milhões. A licitação foi aberta com o objetivo de reduzir despesas da Secretaria do Patrimônio da União (SPU). No entanto, o prédio acabou não sendo vendido e a licitação foi cancelada.

Repercussão internacional

O incêndio ganhou destaque na imprensa internacional. Jornais como o The New York Times (EUA), El Pais (Espanha), Pagina 12 (Argentina) e Público (Portugal) relataram a tragédia que ocorreu nesta terça-feira.

O New York Times informou que o “incêndio se espalhou rapidamente por um prédio de mais de 20 andares, matando uma pessoa, segundo autoridades locais”. O diário destacou que 160 bombeiros foram chamados para conter as chamas e que ainda não se sabe quais foram as causas do incêndio.

A emissora multiestatal TeleSur também detalhou o acontecimento. “As autoridades brasileiras reportaram nesta terça-feira o desabamento de um prédio após um incêndio ocorrido no centro de São Paulo que afetou dois edifícios”, diz. A emissora também relata que “o foco do incêndio foi contido e residentes de um hotel próximo foram evacuados”.

Forum


Não se esqueça de ler isso também ...

Nenhum comentário:

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do Itiruçu Notícias; a responsabilidade é do autor da mensagem.

PARCEIROS



 photo GS-SOMgif_zpszfpbff8c.gif
 photo GS-SOMgif_zpszfpbff8c.gif