Opinião: O primeiro discurso da ministra do STF em 2018 - Itiruçu Notícias - Itiruçu e Região conectados com a informação
Arrow

NOTÍCIA EM DESTAQUE

Motorista alcoolizado que provoca morte. Qual a punição?

O comportamento do brasileiro no trânsito encontra-se longe do recomendável. O número de motoristas que dirigem alcoolizados, inclusive...

Histórias que o Povo Conta

A história que o povo conta; O Retratista

Paulo Borges de Oliveira, natural de Castro Alves – BA, nascido em 18/11/1918, chegou em Itiruçu –BA, em 1950, foi comerciante juntamente com seu irmão Otávio (já falecido), na antiga rua da Lancha, hoje Moisés Almeida, mas, anos depois dedicou – se inteiramente a profissão de fotógrafo.
CONTINUE LENDO

EDITORIAL

A Ganância e a Discórdia a felicidade dos invejosos

Aquele que semeia a discórdia é terrível. Não gosta de ver a paz reinar em canto algum, parece que se agonia com isso.

Qual o objetivo das pessoas que agem desta forma? Será que essa atitude provoca prazer em determinadas pessoas? Ou seria o ego de pessoas invejosas que se sentem felizes provocando infelicidades.

Fazendo minhas análises sobre certas atitudes humanas percebi que pessoas infelizes são as que mais disseminam discórdias e a maior delas sempre está relacionada com algum tipo de fofoca raivosa.

Aquela que numa simples palavra já se percebe o rancor interior de quem fez. E se estivermos perto de quem fez a fofoca raivosa nota-se no semblante da pessoa um certo alívio pela maldade que provocou ou até um sorriso nos lábios achando-se vitorioso...CONTINUE LENDO


MAIS LIDAS DO MÊS


Opinião: O primeiro discurso da ministra do STF em 2018

Por: Ed Santos - sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018 - 0 Comentários

A democracia está comprometida!?  onde está a justiça? Onde está à ordem, Ministra?


Na sessão solene que marcou a abertura do Ano Judiciário de 2018, a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, disse na manhã desta quinta-feira, 1, que é ”inadmissível e inaceitável desacatar a Justiça” e que sem ”Justiça não há paz”. ”Pode-se ser favorável ou desfavorável à decisão judicial pela qual se aplica o direito. Pode-se buscar reformar a decisão judicial, pelos meios legais, pelos juízos competentes. É inadmissível e inaceitável desacatar a justiça, agravá-la ou agredi-la. Justiça individual fora do Direito não é justiça, senão vingança ou ato de força pessoal”, discursou Cármen. ”Sem liberdade, não há democracia. Sem responsabilidade, não há ordem. Sem justiça, não há paz”, completou a presidente do STF.
Fiquei pensando sobre o que disse ainda a ministra chefe do STF, meritíssima senhora Carmem Lúcia: ”Sem liberdade, não há democracia. Sem responsabilidade, não há ordem. Sem justiça, não há paz”. Essa é a verdade: Mas meritíssima entre as suas palavras e o que nós sentimos na pele há um hiato, um abismo! Veja:


1º Como a senhora fala de liberdade e diz que é inadmissível e inaceitável desacatar (criticar) a justiça? Como fala em liberdade se todos aí ameaçam usarem o poder que tem contra quem questiona seus métodos? Logo, a democracia está comprometida!?.

2º Com tantos mandos e desmandos, um judiciário cujo limite não são as leis, mais o imaginável de qualquer julgador. Onde está à ordem, Ministra?

3º Todos os dias a violência abate, os poderosos aplastam os mais humildes, leis servem apenas de decorativos para vade mecum, se nos falta anelada paz senhora ministra, onde está a justiça?

4º Pergunto também ao presidente da OAB, senhor Claudio Lamachia que solidário a ministra disse “que o respeito a justiça é fundamental para superar crises, uma justiça sem privilégios...” Humm...o que dizer dos salários acima do teto no judiciário, da falta de transparência, dos auxílios moradias de quase 5 mil mensais até para quem tem mansões decoradoras de revistas, dos privilégios soberanos e quase divinos? É justo, um povo que morre de fome sem pão, sem trabalho, vitima da violência, sem saúde, olhar para suas “divindades” (com exceções) e dizerem amém a seus feitos?

Obs: Respeito à justiça (judiciário) só existirá quando seus agentes forem a encarnação do ser justo, quando os abismos tiverem pontes, quando todos forem de fato submissos a lei. Aí senhora excelentíssima ministra, suas palavras serão contempladas de prontidão. Desculpe é que os violados que somos todos nós, estamos entendendo depois de 500 anos o por que que nos falta pela ordem a justiça, o respeito, a liberdade, a democracia e a paz. (Ed Santos)


Não se esqueça de ler isso também ...

Nenhum comentário:

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do Itiruçu Notícias; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Colaboradores