Operação da PF contra desvios na educação atinge Jaguaquara, Jequié e Salvador - Itiruçu Notícias
Arrow
Campanha Cores da Saúde



EDITORIAL

Reflexão do sofrimento superado pela Fé

As lágrimas escorrem como sangue de uma ferida, difícil de estancar.
As batidas do coração doem a cada pulsação.
O olhar que não encontra uma saída nem mesmo alguém que possa compreender, quando se está no chão.
Não há uma mão pra te levantar, mas várias para te empurra no abismo. Apagar a luz no fim do túnel com um sopro para que não enxergue a saída.
Mas com tua em fé em Deus, louvai, porque ele é bom
Em Salmos 107.06 diz “E clamaram ao Senhor na sua angústia, e os livrou das suas dificuldades.”
Pois Deus conhece as duas dores e os seus sofrimento .
Os retos o verão, e se alegrarão, e toda a maldade tapará a boca.
Quem é sábio observará estas coisas, e eles compreenderão as bondades do Senhor. Salmos 107:42,43 CONTINUE LENDO

COLUNISTAS



Coluna Joselito Fróes: Êta lê lê! : O Bar São Jorge

Existem certas relíquias que o tempo faz questão de perpetuar. Passa-se o tempo e a suas lembranças continuam vivas em nossos corações...


MAIS LIDAS DO MÊS


Operação da PF contra desvios na educação atinge Jaguaquara, Jequié e Salvador

Por: Ed Santos - terça-feira, 5 de dezembro de 2017 - 0 Comentários


O desvio de recursos públicos destinados à educação para Salvador, Jequié e Jaguaquara, na Bahia, é alvo da Operação Melinoe, deflagrado pela Polícia Federal (PF) na manhã desta terça-feira, 5, em conjunto com o Ministério Público Federal (MPF) e a Controladoria Geral da União (CGU). 

Segundo a PF, 58 policiais federais e seis auditores da controladoria cumprem 23 mandados de condução coercitiva nas três cidades, sendo 18 de busca e apreensão e cinco de medidas cautelares.

A operação decorre de uma investigação iniciada no ano passado, na qual foi constatado que uma empresa, contratada pela prefeitura de Jequié e indicada por uma ex-vereadora, que desviava recursos por meio do suposto fornecimento de “terceirizados fantasmas”. A ex vereadora Meire Lopes foi ouvida na manhã desta terça como a principal suspeita. 

A PF investiga que a referida empresa pagou salário a pelo menos 35 funcionários que nunca atuaram nas escolas para as quais foram designados. Dentre estes, havia dois sobrinhos da ex-vereadora que não residiam na cidade. 

De acordo com o levantamento realizado entre 2013 a 2017, a empresa recebeu o valor de R$ 63 milhões, sendo que deste total foi possível identificar, até agora, R$ 7 milhões correspondente a recursos federais. Estima-se um prejuízo aos cofres públicos de mais de R$ 1,5 milhão.

Com isso, a Justiça Federal de Jequié determinou o afastamento das funções públicas dos investigados, bem como a proibição da empresa, ou seus sócios, de contratarem ou renovarem qualquer contrato com o poder público. Os envolvidos responderão pelos crimes de peculato, fraude à licitação, associação criminosa e falsidade ideológica.

Por enquanto ainda não ha detalhes da operação que se estendeu por Jaguaquara e Salvador.


Não se esqueça de ler isso também ...

Nenhum comentário:

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do Itiruçu Notícias; a responsabilidade é do autor da mensagem.

PARCEIROS



 photo GS-SOMgif_zpszfpbff8c.gif
 photo GS-SOMgif_zpszfpbff8c.gif