Arritmias cardíacas podem ser identificadas por meio do autoexame - Itiruçu Notícias Estamos com um pequeno problema técnico em nosso portal no slider inicial da pagina, que já estamos procurando resolver o mais rápido possível. Grato pela compreenção

Arrow
MENSAGEM DE ANO NOVO

Campanha

EDITORIAL

Viajando no tempo: do Jornal Itiruçu, evoluindo até o Itiruçu Notícias


O tempo urge e as memórias ficam, para revela a sua história. Recebi do amigo poeta Claudio Fernandes uma lembrança dos primeiros passos na área da informação. Na época não tinha internet, blogs, redes sociais, sites muito mesmo WhatsApp, mas já naquela época dávamos os primeiros passos na área da comunicação escrita. CONTINUE LENDO

COLUNISTAS

Coluna Joselito Fróes: Êta lê lê! : O Bar São Jorge

Existem certas relíquias que o tempo faz questão de perpetuar. Passa-se o tempo e a suas lembranças continuam vivas em nossos corações...


MAIS LIDAS EM 2017


Arritmias cardíacas podem ser identificadas por meio do autoexame

Por: Redação Itiruçu Notícias - segunda-feira, 13 de novembro de 2017 - 0 Comentários


Pouca gente sabe que o autoexame dos pulsospermite que qualquer pessoa identifique arritmias cardíacas que não costumam apresentar sintomas. Caracterizado como uma alteração da frequência ou do ritmo dos batimentos cardíacos, o problema pode passar despercebido e, se não tratado a tempo, pode ser fatal.
De acordo com a Cardiologista da Clínica ADS, Adriana Taboada, “não dá para abrir mão da avaliação feita por um especialista por meio de avaliação clínica e exames complementares, mas o autoexame dos pulsos é uma ferramenta adicional que auxilia na detecção das arritmias no intervalo entre as consultas médicas regulares”, defende.
Ela explica que qualquer pessoa pode fazer este exame: jovens, idosos, homens e mulheres, pois “as arritmias cardíacas podem ocorrer em qualquer idade, inclusive em quem não tem aparentemente nenhuma doença cardíaca ou fator de risco para doenças do coração”, frisa.
As arritmias cardíacas podem ser intermitentes e, quando surgem, podem ter curta duração ou podem se sustentar por períodos mais prolongados. Dessa forma, um autoexame dos pulsos normal em determinado momento não exclui que, em outros momentos, o paciente tenha arritmia. Por isso, “o autoexame deve ser feito com relativa frequência. Não precisa ser todos os dias, mas uma vez por semana ou pelo menos uma vez por mês vale a pena verificar os batimentos”, orienta Taboada.
Como fazer - O paciente deve posicionar os seus três dedos médios sobre seu pulso radial no antebraço (o pulso radial pode ser encontrado traçando-se uma linha imaginária em continuação ao polegar). Aplicando uma pressão suave nos dedos, o paciente conseguirá sentir suas pulsações. Deve-se contar quantas pulsações são sentidas em um intervalo de tempo de 15 segundos e o resultado deve ser multiplicado por 4. Esta é a frequência cardíaca naquele momento.
Desta forma, se a pessoasente 20 pulsações em um intervalo de 15 segundos, por exemplo, deve multiplicar o resultado por 4 (20x4) para encontrar o valor de 80 batimentos por minuto (bpm). O valor normal da frequência cardíaca em repouso é de 50 a 100 bpm. Frequências abaixo ou acima destes valores não necessariamente indicam a presença de problemas cardíacos, mas servem de alerta para que o paciente procure um cardiologista para investigação.
Outro aspecto que deve ser observado, além da frequência cardíaca, é a regularidade dos batimentos. Qualquer alteração na cadência dos batimentos, acelerações e desacelerações súbitas ou a presença de pausas nas pulsações também são evidências da presença de arritmias.Se a partir do autoexame dos pulsos, a pessoa desconfiar que o ritmo cardíaco não estánormal, o melhor a fazer é agendar uma consulta com um médico cardiologista, pois somente este especialista pode fazer o diagnóstico preciso e definir o melhor tratamento.
Vale destacar que as consultas de rotina devem ser realizadas anualmente, mesmo para pacientes assintomáticos. A realização de exames específicos é determinada pelo médico assistente, de acordo com os fatores de risco e as necessidades de cada paciente.
Informações Carla Santana


Não se esqueça de ler isso também ...

Nenhum comentário:

Deixe seu comentário

PARCEIROS



 photo GS-SOMgif_zpszfpbff8c.gif
 photo GS-SOMgif_zpszfpbff8c.gif