Polícia revela que vigia que incendiou creche tinha transtorno persecutório - Itiruçu Notícias
Arrow
MENSAGEM DE ANO NOVO

Campanha


EDITORIAL

Viajando no tempo: do Jornal Itiruçu, evoluindo até o Itiruçu Notícias


O tempo urge e as memórias ficam, para revela a sua história. Recebi do amigo poeta Claudio Fernandes uma lembrança dos primeiros passos na área da informação. Na época não tinha internet, blogs, redes sociais, sites muito mesmo WhatsApp, mas já naquela época dávamos os primeiros passos na área da comunicação escrita. CONTINUE LENDO


COLUNISTAS

Coluna Joselito Fróes: Êta lê lê! : O Bar São Jorge

Existem certas relíquias que o tempo faz questão de perpetuar. Passa-se o tempo e a suas lembranças continuam vivas em nossos corações...


MAIS LIDAS EM 2017


Polícia revela que vigia que incendiou creche tinha transtorno persecutório

Por: Redação Itiruçu Notícias - sábado, 7 de outubro de 2017 - 0 Comentários


A tragédia que chocou o país provocada por um vigia identificado por Damião Soares dos Santos e 50 anos, do Centro Municipal de Educação Infantil Gente Inocente, no Bairro Rio Novo,(547 km de Belo Horizonte), no Norte de Minas Gerais. ainda vem causando dor e sofrimento ainda mais por saber que tudo poderia ser evitado.
Segundo as informações  o vigia que  jogou álcool em crianças e nele mesmo e, em seguida, ateou fogo, sofria de transtorno persecutório segundo a Polícia Civil.  
Este transtorno faz com que o  indivíduo tenha delírios que  envolve a crença de estar sendo vítima de conspiração, traição, espionagem , perseguição, envenenamento ou intoxicação com drogas, estar sendo alvo de comentários maldosos, de assédio ou está sendo impedido na sua busca de objetivos a longo prazo. Os indivíduos com delírio persecutório com frequência sentem ressentimento e raiva, podendo recorrer à violência contra aqueles que o estão supostamente prejudicando.
"Ele começou a demonstrar transtornos em 2014, quando foi ao MP denunciar que a mãe estava envenenando a comida dele, mas era mentira", diz Renato Henriques, chefe do Departamento da Polícia Civil de Montes Claros. Na época, o vigia também disse que a mãe havia assassinado o pai com veneno. No dia do ataque, se completaram três anos da morte do pai do vigia.
Ao longo da semana, parentes do vigia relataram que ele repetiu que daria um presente à família e que morreria. Para vizinhos da creche, ele parecia normal. "Não mostrava isso para a sociedade."
O MP (Ministério Público) de Minas vai apurar por que um funcionário com problemas mentais trabalhava na educação infantil.  Morreram no ataque  08 crianças uma professora além do vigia.


Não se esqueça de ler isso também ...

Nenhum comentário:

Deixe seu comentário

PARCEIROS



 photo GS-SOMgif_zpszfpbff8c.gif
 photo GS-SOMgif_zpszfpbff8c.gif