Empresários e governo discutem sobre a energia solar na Bahia - Itiruçu Notícias - Itiruçu e Região conectados com a informação
Arrow

NOTÍCIA EM DESTAQUE

Motorista alcoolizado que provoca morte. Qual a punição?

O comportamento do brasileiro no trânsito encontra-se longe do recomendável. O número de motoristas que dirigem alcoolizados, inclusive...

Histórias que o Povo Conta

A história que o povo conta; O Retratista

Paulo Borges de Oliveira, natural de Castro Alves – BA, nascido em 18/11/1918, chegou em Itiruçu –BA, em 1950, foi comerciante juntamente com seu irmão Otávio (já falecido), na antiga rua da Lancha, hoje Moisés Almeida, mas, anos depois dedicou – se inteiramente a profissão de fotógrafo.
CONTINUE LENDO

EDITORIAL

A Ganância e a Discórdia a felicidade dos invejosos

Aquele que semeia a discórdia é terrível. Não gosta de ver a paz reinar em canto algum, parece que se agonia com isso.

Qual o objetivo das pessoas que agem desta forma? Será que essa atitude provoca prazer em determinadas pessoas? Ou seria o ego de pessoas invejosas que se sentem felizes provocando infelicidades.

Fazendo minhas análises sobre certas atitudes humanas percebi que pessoas infelizes são as que mais disseminam discórdias e a maior delas sempre está relacionada com algum tipo de fofoca raivosa.

Aquela que numa simples palavra já se percebe o rancor interior de quem fez. E se estivermos perto de quem fez a fofoca raivosa nota-se no semblante da pessoa um certo alívio pela maldade que provocou ou até um sorriso nos lábios achando-se vitorioso...CONTINUE LENDO


MAIS LIDAS DO MÊS


Empresários e governo discutem sobre a energia solar na Bahia

Por: Redação Itiruçu Notícias - quinta-feira, 31 de agosto de 2017 - 0 Comentários


A Bahia é líder em projetos comercializáveis de energia solar fotovoltaica e tem investido cada vez mais em novas oportunidades para desenvolver o setor. Hoje, 31/08, durante o encontro Café com Energia, em Salvador, diversos empresários, governo e entidades da categoria se reuniram para discutir as medidas que devem ser adotadas para que o estado seja também líder na fabricação de painéis fotovoltaicos já que possui a melhor sílica do país.    
“Ter a produção do vidro e silício será uma vitória para a Bahia porque passaremos a ter toda a cadeia produtiva dentro do estado gerando mais emprego e desenvolvimento, principalmente, na região do semiárido de maneira sustentável e ecológica”, explicou Paulo Guimarães, superintendente da Secretaria de Desenvolvimento Econômico.

A Energia Solar está dentro de um contexto ainda mais privilegiado que o eólico porque a distribuição de energia não depende de leilões ofertados pelo governo federal, principal entrave para que o setor obtenha ainda mais progresso. “As perspectivas da energia solar são muito melhores porque a geração distribuída pode se desenvolver de maneira independente. Estima-se que na Bahia se tenha 4,4 vezes um consumo residencial e comercial menor do que o seu potencial de implantação. Então o governo vem incentivando a produção local, a geração distribuída e a aplicação disso, como foi feito no próprio estádio de Pituaçu”, completa Paulo.
Outro ponto é a cadeia de serviços. Há possibilidade de alugar os painéis na residência, no comércio e, portanto, não será necessário que o usuário faça investimento próprio.

Existe um caminho longo a ser descoberto e percorrido dentro da cadeia solar. Os benefícios são estratégicos, segundo Rodrigo Sauaia, presidente da ABSOLAR. “Redução de gastos, atração de novos investimentos, geração de empregos, desenvolvimento de uma nova cadeia produtiva, aquecimentos de economias locais. Nos Estados Unidos um a cada cinqüenta novos empregos está ligado ao setor de energia solar. O segmento vai crescer no Brasil 11 vezes mais em potência instalada e grande parte será na Bahia”, explica Sauaia.
Para ajudar ao crescimento do setor, o governo está somando esforços junto à Secretaria da Fazenda, com a isenção de impostos e incentivos fiscais, conforme anunciado pela SDE na última semana. O Comprasnet e o Cadastro Único, plataformas digitais que unificam todos os fornecedores do Estado, tornam mais atraentes o investimento no setor.
A média de empregos é de 15 empregos gerados por MW em toda a cadeia produtiva, portanto 26.265 postos foram gerados nos 71 empreendimentos em operação e cerca de 60.000 serão gerados com a construção dos 170 projetos
Informações via Bruna Santana, Ascom/SDE


Não se esqueça de ler isso também ...

Nenhum comentário:

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do Itiruçu Notícias; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Colaboradores