Marilia Fontoura sai em defesa do Deputado Solla - Itiruçu Notícias
Arrow
Vídeo sobre a leucemina

Campanha Cores da Saúde



EDITORIAL

Opinião: O primeiro discurso da ministra do STF em 2018

Na sessão solene que marcou a abertura do Ano Judiciário de 2018, a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, disse na manhã desta quinta-feira, 1, que é ”inadmissível e inaceitável desacatar a Justiça” e que sem ”Justiça não há paz”. ”Pode-se ser favorável ou desfavorável à decisão judicial pela qual se aplica o direito. Pode-se buscar reformar a decisão judicial, pelos meios legais, pelos juízos competentes. É inadmissível e inaceitável desacatar a justiça, agravá-la ou agredi-la. Justiça individual fora do Direito não é justiça, senão vingança ou ato de força pessoal”, discursou Cármen. ”Sem liberdade, não há democracia. Sem responsabilidade, não há ordem. Sem justiça, não há paz”, completou a presidente do STF... CONTINUE LENDO

COLUNISTAS



Coluna Joselito Fróes: Êta lê lê! : O Bar São Jorge

Existem certas relíquias que o tempo faz questão de perpetuar. Passa-se o tempo e a suas lembranças continuam vivas em nossos corações...


MAIS LIDAS DO MÊS


Marilia Fontoura sai em defesa do Deputado Solla

Por: Itiruçu Notícias - - quinta-feira, 2 de junho de 2016 - 2 Comentários


Em resposta  as declarações do petista Jorge Assis que disse  que o Deputado Jorge Solla tem discurso afinado de ditador, por querer definir qual seria o candidato da oposição: (Relembre o caso). A esposa do Deputado,  Marília Fontoura saiu em defesa do companheiro: "Ainda não entendi o que exatamente irritou Jorge Assis".
"Solla em nenhum momento foi autoritário, apenas emitiu com firmeza sua opinião expressando o que apontou as pesquisas. Não mentiu, não agrediu nem desmereceu ninguém.  Disse que Jorge mora há muito tempo Sergipe e creditou a baixa pontuação na pesquisa a essa ausência, inferindo que o pessoal não o conhecia suficiente ( eu moro em Salvador e também continuo com vínculos com minha terra. Qual o problema?) " pontuou Marília.

Segundo informações de Marília Fontoura, Jorge  Assis não  teria pontuado  nem 1% na pesquisa sugerida em reunião com o PT e encomendada pelo mandato e quem pediu a pesquisa foi o Partido e algumas lideranças da oposição, pra saberem as possibilidades de cada um.
"Solla "adotou" Itiruçu e por aqui anda há exatos 33 anos. Adora vir descansar em Itiruçu, respeita, considera e é muito grato a nossa gente. Foi acolhido e por isso foi o mais votado entre os federais, portanto boa parte dos eleitores ou da população com certeza não tem a mesma opinião de Jorge" comentou.

Ainda segundo Marília, Solla não teria  mentido em suas declarações e não teria questionado o direito de Jorge se candidatar, emitiu sua opinião e preferência, justificando porque. e que em nenhum momento agrediu ou desqualificou ninguém. Que teria creditado aos números da pesquisa  imaginando que  talvez a rejeição ao nome de Jorge, fosse pelo fato dele morar fora e por isso não ser conhecido. "Isso não não é nenhum demérito. É normal e esperado" disse Marília.
"Agora, se alguém achar que não foi por não conhecer suficientemente a pessoa, o que justificaria a baixa aceitação e a alta rejeição que os números apontaram?" perguntou.
Ainda em defesa do companheiro ela  disse,   "Onde está o problema de um deputado preferir apoiar e botar fé numa determinada pré-candidata com chances eleitorais claras, apontada como favorita e referendada por pelo menos 3 pesquisas? Se o povo aponta uma preferência, porque  o deputado teria q ser contra? Outros ja anunciaram suas preferências e não houve tanta polêmica".

Segundo a Petistas  responder a uma "provocação" ou questionamento também não representa "briga" ou divergências insuperáveis entre pessoas que compõem, apoiam ou tentam ajudar na unidade das oposições e que  existem diferentes opiniões, diferentes pontos de vista, diferentes preferências e até contradições a serem superadas, e que isto faz parte da dinâmica do processo político para construção de qualquer possível aliança ou unidade.  "É muito bom q seja assim, com diálogo, discordâncias, concordâncias e até divergências a serem superadas no processo de construção de viabilidades ou consenso. Isso é democratizo,  transparente e aberto a consensos dissensos. Normal e naturalmente democrático".


Não se esqueça de ler isso também ...

2 comentários:

  1. Parabéns e obrigada por democraticamente publicar a resposta. Gostei!

    ResponderExcluir
  2. Concordo com Marília. todas essas coisas tem que acontecer mesmo,estamos em um pais democrático. onde as opiniões, vão ser sempre divergentes uma da outra, o que precisamos e deixa de lado os problemas pessoais. e pesarmos em conjunto, o que será melhor para nossa cidade. e para nosso povo sofrido, onde nossos jovens estão indo embora para outras cidades; porque não tem perspectiva nenhuma em nossa cidade.

    ResponderExcluir

PARCEIROS



 photo GS-SOMgif_zpszfpbff8c.gif
 photo GS-SOMgif_zpszfpbff8c.gif

ENQUETE
Você votaria em quem para presidente?

Álvaro Dias (Podemos)
Ciro Gomes (PDT)
Cristovam Buarque (PPS)
Eymael (PSDC)
Fernando Collor (PTC)
Geraldo Alckmin (PSDB)
Jair Bolsonaro (PSC-RJ)
João Amoêdo (Novo)
Levy Fidelix (PRTB)
Lula da Silva (PT)
Manuela D'Ávila (PC do B)
Marina Silva (Rede)
Valéria Monteiro (PMN)
Outro
Nenhum