MPF/BA requer que Polícia Federal apure suposto roubo cometido em quilombo em Maragogipe - Itiruçu Notícias - Itiruçu e Região conectados com a informação
Arrow

NOTÍCIA EM DESTAQUE

Itiruçu: Casa da Cultura treme enquanto se realizava reunião

Reunião é transferida ao perceber que Casa da Cultura em Itiruçu começou a tremer.  Na manhã desta sexta-feira(22) por volta das 9h...


Espaço publicitário


EDITORIAL

Refletindo: A verdadeira política do verdadeiro cristão

O Evangelho é o caminho da verdade e da vida eterna, a política é o caminho do cidadão onde interfere diretamente na sua vida terrena (ALIMENTAÇÃO, MORADIA, SAUDE, EDUCAÇÃO, ESPORTE LAZER ETC.)

O Evangelho busca a paz espiritual, quanto à política favorece ou dificulta à vida da comunidade, porém um povo evangelizado com certeza a política só faz favorecer, pois a comunidade sabe o que é o melhor para ela.
A política não se reúne em atividades partidárias, eleições, lideres etc. e sim em um conjunto de atividades que o cidadão deve sentir com o seu dever e direito de estar presente, compromisso da realidade social, não pregando discórdia e sim a união porque o cristianismo deve evangelizar na totalidade da existência humana, inclusive na dimensão da política.

CONTINUE LENDO


COLUNA Êta lê lê



Êta lê lê Segunda-feira gorda do foguetório

Ao ter suas contas aprovadas por 7 a 2 na última sessão da Câmara de Vereadores da Boa Terra, o ex-prefeito Wagner Novaes era só alegria. Como os estampidos das bombas eram ouvidos nos quatro cantos da cidade, muitos ficaram imaginando o que teria acontecido:

"Quem chegou ou está indo para Bom Jesus da Lapa?";
"Hoje é festa de que Santo?";
"Aniversário de quem?";
"Quem tá jogando hoje?"

O que muitos não sabiam, era que a festa tinha um nome, Wagner Novaes. Este celebrava a vitória em casa, já que um pouco distante, 7 edis lhe dariam a honra de aprovar as suas contas públicas.

CONTINUE LENDO


MAIS LIDAS DO MÊS


MPF/BA requer que Polícia Federal apure suposto roubo cometido em quilombo em Maragogipe

Por: Itiruçu Notícias - quarta-feira, 18 de maio de 2016 - 0 Comentários





O Ministério Público Federal (MPF) em Feira de Santana (BA) requereu à Polícia Federal, no dia 16 de maio, a instauração de inquérito para investigar crimes cometidos durante uma oficina realizada pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), em 30 de abril, sobre os direitos dos quilombolas e o processo de demarcação de terras. Segundo denúncia recebida pelo órgão, três assaltantes teriam invadido o local da atividade, no território de identidade quilombola do Guaí, em Maragogipe, a 142 km de Salvador, e roubado itens pessoais dos presentes, além de documentos públicos referentes às demarcações.

O requerimento, assinado pelos procuradores da República Marcos André Carneiro Silva e Claytton Ricardo de Jesus Santos, está embasado em denúncia apresentada ao MPF, no dia 13 de maio, por membros da comunidade quilombola do Baixão do Guaí, presentes no evento. Eles afirmam que os roubos cometidos não teriam sido os únicos atos de violência contra as comunidades remanescentes de quilombolas. Relataram, também, que vêm sofrendo ameaças e intimidações de fazendeiros, que visam a impedir a atuação do Incra na demarcação dos territórios.

O MPF requereu a investigação dos crimes de roubo qualificado (art. 157, § 2º , inciso II do Código Penal) e subtração de documento público (art. 337 do CP). “É preciso investigar, ainda, se os crimes cometidos têm relação com a instabilidade social existente na região, decorrente do processo de demarcação das terras quilombolas.” - explica o procurador Marcos André.

Em reunião realizada nesta quarta-feira, 18 de maio, com os servidores do Incra que sofreram o roubo, o procurador ressaltou a necessidade de garantir que os trabalhos de demarcação de terras não sejam prejudicados. O MPF poderá solicitar o apoio das polícias federal e militar para as próximas diligências na região, caso o Incra reporte necessário.

O procurador relembra que, em 3 de março o MPF realizaria audiência pública para debate da situação das comunidades remanescentes de quilombos situadas na região. O evento foi cancelado em virtude de informações prestadas ao órgão que demonstravam possível risco a integridade dos participantes.

O MPF segue em busca da resolução da situação das comunidades remanescentes de quilombos na área, tendo em vista a sua função institucional, de proteger os interesses individuais indisponíveis, difusos e coletivos, relativos às minorias étnicas.


Não se esqueça de ler isso também ...

Nenhum comentário:

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do Itiruçu Notícias; a responsabilidade é do autor da mensagem.

PARCEIROS



 photo GS-SOMgif_zpszfpbff8c.gif
 photo GS-SOMgif_zpszfpbff8c.gif

Campanha de Doação