Palacete das Artes: exposição reúne coleção de brinquedos nordestinos feitos à mão - Itiruçu Notícias
Arrow
AO Vivo formatura do Proerd em Itiruçu - Imagens Wilson Novaes


Passeio Cicloturismo de Itiruçu


EDITORIAL

Reflexão do sofrimento superado pela Fé

As lágrimas escorrem como sangue de uma ferida, difícil de estancar.
As batidas do coração doem a cada pulsação.
O olhar que não encontra uma saída nem mesmo alguém que possa compreender, quando se está no chão.
Não há uma mão pra te levantar, mas várias para te empurra no abismo. Apagar a luz no fim do túnel com um sopro para que não enxergue a saída.
Mas com tua em fé em Deus, louvai, porque ele é bom
Em Salmos 107.06 diz “E clamaram ao Senhor na sua angústia, e os livrou das suas dificuldades.”
Pois Deus conhece as duas dores e os seus sofrimento .
Os retos o verão, e se alegrarão, e toda a maldade tapará a boca.
Quem é sábio observará estas coisas, e eles compreenderão as bondades do Senhor. Salmos 107:42,43 CONTINUE LENDO


COLUNISTAS



Coluna Joselito Fróes: Êta lê lê! : O Bar São Jorge

Existem certas relíquias que o tempo faz questão de perpetuar. Passa-se o tempo e a suas lembranças continuam vivas em nossos corações...


MAIS LIDAS DO MÊS


Palacete das Artes: exposição reúne coleção de brinquedos nordestinos feitos à mão

Por: Itiruçu Notícias - terça-feira, 19 de abril de 2016 - 0 Comentários


O Palacete das Artes recebe, de 26 de abril a 26 de junho, a exposição Brinquedos à Mão – Coleção Sálua Chequer, com mais de mil objetos utilizados pela infância de antigamente e ainda muito presentes nas comunidades interioranas do Nordeste brasileiro. O acervo pertence a Sálua Chequer, colecionadora e pesquisadora de cultura popular, que assina a curadoria da mostra com o artista visual Zé de Rocha. O projeto é uma idealização e realização da Trevo Produções e tem apoio financeiro do Fundo de Cultura da Bahia, mecanismo de fomento à cultura gerido pelas secretarias de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA) e da Fazenda (Sefaz), através do edital Agitação Cultural: Dinamização de Espaços Culturais.

As peças foram coletadas ao longo dos últimos 30 anos, durante pesquisas de campo em diversas cidades do interior e nas capitais de estados do Nordeste. Os brinquedos foram adquiridos por artesãos, presenteados por amigos e garimpados em feiras livres nos estados da Bahia, Sergipe, Alagoas, Pernambuco, Paraíba, Ceará e Piauí.

Para chegar ao formato final da exposição, os curadores levaram em conta o diálogo entre três olhares: o olhar de quem criou o brinquedo, o olhar da colecionadora que o escolheu e o olhar do espectador que se encanta com o objeto. Em foco, a recuperação da importância e do valor pedagógico dos brinquedos populares como referência para as antigas e as novas gerações.

As peças, expostas em suportes diversos, não são apresentadas como peças de museu. Ao contrário, convidam ao movimento. Representam cenas do cotidiano e utensílios de trabalho como, por exemplo, pequenos moedores de cana-de-açúcar, carro de boi e moinhos de água. Há ainda mobílias de madeira para a tradicional brincadeira de casinha, com mesinhas, cadeiras, sofás, geladeiras, camas e guarda-roupas, e miniaturas de utensílios domésticos como peneiras, baldes e panelinhas feitos em barro, madeira e metal.

As crianças que forem à exposição poderão saciar a vontade de brincar no espaço chamado Cantinho do Brincar, com objetos lúdicos como cinco marias, pula corda, bolinhas de gude, piões, dentre outros. Além disso, durante nove domingos (de 01 de maio a 26 de junho) acontecerão oficinas e atividades lúdicas para os visitantes mirins a partir das 15h. Esses momentos contemplam oficinas de pinturas, de confecção de roupinhas para bonecos e de confecção de brinquedos com material reciclável, contação de histórias, recreação com brincantes, entre outras atividades.

O público de professores de educação infantil e psicólogos também será contemplado com a oficina Resgate de brincadeiras tradicionais, parlendas e estórias, que será ministrada pela própria pesquisadora Sálua Chequer. A oficina vai abordar o valor das brincadeiras, cantigas, parlendas e estórias na formação da criança, além da possibilidade de associar este universo com outras áreas do conhecimento, como a literatura. Serão três turmas, com encontros que acontecerão em três sábados, com datas a definir, no horário de 14h às 17h. Cada turma terá 30 vagas.


Não se esqueça de ler isso também ...

Nenhum comentário:

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do Itiruçu Notícias; a responsabilidade é do autor da mensagem.

PARCEIROS



 photo GS-SOMgif_zpszfpbff8c.gif
 photo GS-SOMgif_zpszfpbff8c.gif



São Pedro 2018

Melhores momentos - Por Wilson Novaes