Criança morre por suposta negligência médica em Ilhéus - Itiruçu Notícias
Arrow

Acesse e curta nossa FAN PAGE no Facebook




Anuncie aqui seu evento! Apoio cultural Itiruçu Notícias


Campanha


As mais visitadas


Colunistas

O Seu Direito

Êta, Lê, Lê


Utilidade Pública


CENIPA

PM

Criança morre por suposta negligência médica em Ilhéus

Edição: Itiruçu Notícias - - quinta-feira, 3 de março de 2016 - 0 Comentários


Mas um caso de negligencia médica em Ilhéus Sul da Bahia, segundo o Portal Arravo a Srª Drielle dos Santos Chaves, acusa médicos do hospital de Ilhéus de terem sido negligentes, e acarretado na morte de sua filha, Dandara dos Santos.

Veja abaixo a Reprodução na integra o relato da mãe ao site:

“Minha filha estava com diarreia há nove dias. Comecei a dar soro Floratil, suco de goiaba , caju, macarrão, batata, e tudo que faz a diarreia parar. No dia 23 de fevereiro, a levei para o hospital de Ilhéus, e a médica plantonista Thais Reis me perguntou o que ela tinha, e informei que tratava-se de diarreia. Ela nem sequer a examinou, e receitou o soro Floratil. Informei que já vinha dando esse soro, mas a médica insistiu para que continuasse. A diarreia não passou, e fui novamente ao hospital no sábado, dia 27 de fevereiro, no período noturno, quando a Drª Teresinha, que é a pediatra de minha filha, atende. Dei entrada no hospital entre as 19:30 e 20h.

Comuniquei à médica que a minha filha estava só com diarreia, mas não estava vomitando, e não tinha febre. Aí, ela me disse que iria interná-la, e que ficaria só no soro, e no domingo pela manhã iria fazer exame de sangue e urina para saber a causa da diarreia, se era uma infecção, bactéria ou verminose.

Até ai tudo bem, subi com minha filha para o quarto, ela brincou, ficou assistindo vídeos no tablet que levei, e dormiu a noite toda. As 6h da manhã acordei com ela chorando, pois a enfermeira já estava terminando de colocar uma ampola de Plasil na bolsa do soro que minha filha estava tomando. A enfermeira aplicou rápido, nem sequer me chamou para falar que iria dar a medicação para a criança. Na mesma hora em que o medicamento entrou no organismo da minha filha, ela reagiu com fortes convulsões, arregalando o olho, e espumando pela boca, até que desmaiou.

A enfermeira já tinha saído do quarto, peguei minha filha no colo, a moça que estava comigo tirou o soro, e descemos correndo atrás da médica e da enfermeira. Pegaram a criança, colocaram ela no oxigênio, e um monte de aparelhos, juntou um monte de gente na sala, e eu perguntava como estava a minha filha, e ninguém respondia. Entrei na sala e ela já estava com os pés roxos e a barriga enorme. Fui retirada de lá, já desesperada, perguntava de minha filha e ninguém me respondia.

Aí, a Drª Teresinha veio me dizer que fez de tudo e que não conseguiu reanimar a minha pequena. Agora, para que ela foi dar Plasil para a criança, se ela não estava vomitando? Se ela ia fazer exame, para que dar medicação? Elas mataram minha filha. A médica e a enfermeira sumiram do hospital. Minha tia ficou lá a manhã toda para que a Drª Teresinha desse o laudo, que pegarei no dia 07, sendo que o plantão dela era até as 13h do domingo. Ela saiu do plantão e sumiu do hospital. Essa médica passou medicação errada e matou minha filha. Ela matou a minha filha!”.


Não se esqueça de ler isso também ...

Nenhum comentário:

Deixe seu comentário

Publicidade

 photo dra rita coacutepia_zpsxcdxnsbz.png

 photo gilmarblogif_zpsi4cfgiei.gif
COMPRE AQUI

Ou pelo WhatsApp:
(11) 98109 7241