CIA planejou matar Fidel com apoio da Casa Branca - Itiruçu Notícias
Arrow
MENSAGEM DE ANO NOVO

Campanha


EDITORIAL

Viajando no tempo: do Jornal Itiruçu, evoluindo até o Itiruçu Notícias


O tempo urge e as memórias ficam, para revela a sua história. Recebi do amigo poeta Claudio Fernandes uma lembrança dos primeiros passos na área da informação. Na época não tinha internet, blogs, redes sociais, sites muito mesmo WhatsApp, mas já naquela época dávamos os primeiros passos na área da comunicação escrita. CONTINUE LENDO


COLUNISTAS

Coluna Joselito Fróes: Êta lê lê! : O Bar São Jorge

Existem certas relíquias que o tempo faz questão de perpetuar. Passa-se o tempo e a suas lembranças continuam vivas em nossos corações...


MAIS LIDAS EM 2017


CIA planejou matar Fidel com apoio da Casa Branca

Por: Itiruçu Notícias - - domingo, 28 de fevereiro de 2016 - 0 Comentários

Um instituto que pesquisa a história das instituições de segurança nacional dos Estados Unidos revelou na sexta-feira (26) que em 1963 a CIA (Agência Central de Inteligência dos EUA) cogitou assassinar o líder cubano Fidel Castro, utilizando equipamento de mergulho como vetor do bacilo causador da tuberculose.

De acordo com publicação do Opera Mundi, documentos da Casa Branca e da CIA divulgados pelo National Security Archive (Arquivo de Segurança Nacional), dos EUA, relatam que o então espião James Donovan fez as primeiras negociações secretas entre o país e Fidel com apoio da CIA.

Os documentos apontam que, após a crise dos mísseis, Donovan, interpretado pelo ator Tom Hanks no filme "Ponte dos Espiões" (2015), passou a discutir com Fidel maneiras de melhorar as relações entre EUA e Cuba. Durante a série de encontros entre o espião e o líder cubano na ilha entre janeiro e abril de 1963, Fidel teria manifestado interesse em normalizar as relações com os EUA, de acordo com os relatos de Donovan à Casa Branca.

A CIA e o Departamento de Estado dos EUA queriam impor uma série de condições para a reaproximação com Cuba, entre elas o corte de relações entre Havana e a URSS. Um memorando da CIA para Donovan estabelecia inclusive que Fidel "deveria ser persuadido a expulsar os comunistas de seu governo", e caso não se deixasse convencer, deveria ser informado sobre o "sombrio panorama que iria predominar – com um único resultado final – caso Cuba continue a fazer dos Estados Unidos seu inimigo".

O 'único resultado final', não esclarecido no documento, segundo Opera Mundi, talvez fosse a morte de Fidel pelas mãos da agência. Em uma nota de rodapé em um dos documentos desclassificados da CIA consta que alguns agentes decidiram usar o acesso de Donovan a Fidel para assassinar o líder cubano.

O plano elaborado na época usaria o gosto de Fidel e de Donovan pelo mergulho para fazer com que o espião inadvertidamente presenteasse o cubano com roupa e equipamento de mergulho respectivamente infectados com o fungo causador da doença de Madura e com o bacilo causador da tuberculose.

De acordo com o National Security Archive, o plano foi descartado após Milan Miskovsky, advogado da CIA que auxiliava Donovan, alertar o espião para que não permitisse que a agência tivesse acesso à roupa e ao equipamento de mergulho que ele havia comprado para presentear Fidel.

O presente – livre de bacilos e fungos – foi dado em uma das últimas viagens de Donovan a Cuba, em abril de 1963, quando Fidel e o espião mergulharam juntos na Baía dos Porcos. Na ocasião, segundo o relato de Miskovsky à Casa Branca, o líder cubano "deu uma explicação in loco da invasão" realizada por grupo de paramilitares treinados pelos EUA e frustrada pelas forças armadas cubanas em abril de 1961.


Não se esqueça de ler isso também ...

Nenhum comentário:

Deixe seu comentário

PARCEIROS



 photo GS-SOMgif_zpszfpbff8c.gif
 photo GS-SOMgif_zpszfpbff8c.gif