TJ volta a negar pedido de reorganização escolar - Itiruçu Notícias
Arrow
Vídeo sobre a leucemina

Campanha Cores da Saúde



EDITORIAL

Opinião: O primeiro discurso da ministra do STF em 2018

Na sessão solene que marcou a abertura do Ano Judiciário de 2018, a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, disse na manhã desta quinta-feira, 1, que é ”inadmissível e inaceitável desacatar a Justiça” e que sem ”Justiça não há paz”. ”Pode-se ser favorável ou desfavorável à decisão judicial pela qual se aplica o direito. Pode-se buscar reformar a decisão judicial, pelos meios legais, pelos juízos competentes. É inadmissível e inaceitável desacatar a justiça, agravá-la ou agredi-la. Justiça individual fora do Direito não é justiça, senão vingança ou ato de força pessoal”, discursou Cármen. ”Sem liberdade, não há democracia. Sem responsabilidade, não há ordem. Sem justiça, não há paz”, completou a presidente do STF... CONTINUE LENDO

COLUNISTAS



Coluna Joselito Fróes: Êta lê lê! : O Bar São Jorge

Existem certas relíquias que o tempo faz questão de perpetuar. Passa-se o tempo e a suas lembranças continuam vivas em nossos corações...


MAIS LIDAS DO MÊS


TJ volta a negar pedido de reorganização escolar

Por: Itiruçu Notícias - - sábado, 16 de janeiro de 2016 - 0 Comentários


O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) negou pela segunda vez o pedido de liminar do governo do estado e manteve a suspensão do projeto de “reorganização” escolar em 2016, garantindo a permanência dos alunos nas escolas onde já estudam e a matrícula de novos estudantes. A 5ª Vara da Fazenda Pública já havia decidido em primeiro grau pela suspensão do projeto, mas o governo Geraldo Alckmin (PSDB) entrou na Justiça em novembro com um agravo de instrumento para revogar a decisão.
No recurso, o governo estadual argumentou que a suspensão teria imposto medidas desnecessárias, como o estabelecimento de agenda oficial de discussão com os alunos sobre o projeto. “As razões do inconformismo não me permitem, em uma análise sumária, concluir pela oportunidade de concessão da antecipação da tutela recursal”, afirmou o juiz Marcos Pimentel Tamassia, da 1ª Câmara de Direito Público do TJ-SP, em sua decisão, publicada ontem (14).

A “reorganização” escolar, anunciada no fim de 2015, prevê o fechamento de 94 escolas e a transferência de cerca de 311 mil estudantes para outras instituições de ensino. Como resposta ao projeto, que não foi debatido com a comunidade escolar, os alunos ocuparam escolas da rede estadual. No auge do movimento, em dia 2 de dezembro, os estudantes chegaram a ocupar 213 unidades escolares.
Após 25 dias de intensa mobilização, o governador veio a público suspender o projeto de reorganização escolar. Em seguida, o secretário estadual da Educação, Herman Voorwald, pediu demissão. Na ocasião, Alckmin limitou-se a afirmar que os alunos continuariam nas escolas em que já estudam e que o governo começará a aprofundar o debate sobre o projeto. Parte dos alunos decidiu estender o movimento até que o governador cancelasse definitivamente a reorganização. Duas escolas ainda permanecem ocupadas, de acordo com a Secretaria da Educação.
Rede Brasil atual


Não se esqueça de ler isso também ...

Nenhum comentário:

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do Itiruçu Notícias; a responsabilidade é do autor da mensagem.

PARCEIROS



 photo GS-SOMgif_zpszfpbff8c.gif
 photo GS-SOMgif_zpszfpbff8c.gif

ENQUETE
Você votaria em quem para presidente?

Álvaro Dias (Podemos)
Ciro Gomes (PDT)
Cristovam Buarque (PPS)
Eymael (PSDC)
Fernando Collor (PTC)
Geraldo Alckmin (PSDB)
Jair Bolsonaro (PSC-RJ)
João Amoêdo (Novo)
Levy Fidelix (PRTB)
Lula da Silva (PT)
Manuela D'Ávila (PC do B)
Marina Silva (Rede)
Valéria Monteiro (PMN)
Outro
Nenhum