Nota de Pesar pela morte de Antônio Pompêo - Itiruçu Notícias
Arrow
Cores da Saúde: Julho Amarelo alerta sobre câncer nos ossos



Passeio Cicloturismo de Itiruçu


EDITORIAL

Reflexão do sofrimento superado pela Fé

As lágrimas escorrem como sangue de uma ferida, difícil de estancar.
As batidas do coração doem a cada pulsação.
O olhar que não encontra uma saída nem mesmo alguém que possa compreender, quando se está no chão.
Não há uma mão pra te levantar, mas várias para te empurra no abismo. Apagar a luz no fim do túnel com um sopro para que não enxergue a saída.
Mas com tua em fé em Deus, louvai, porque ele é bom
Em Salmos 107.06 diz “E clamaram ao Senhor na sua angústia, e os livrou das suas dificuldades.”
Pois Deus conhece as duas dores e os seus sofrimento .
Os retos o verão, e se alegrarão, e toda a maldade tapará a boca.
Quem é sábio observará estas coisas, e eles compreenderão as bondades do Senhor. Salmos 107:42,43 CONTINUE LENDO


COLUNISTAS



Coluna Joselito Fróes: Êta lê lê! : O Bar São Jorge

Existem certas relíquias que o tempo faz questão de perpetuar. Passa-se o tempo e a suas lembranças continuam vivas em nossos corações...


MAIS LIDAS DO MÊS


Nota de Pesar pela morte de Antônio Pompêo

Por: Itiruçu Notícias - terça-feira, 5 de janeiro de 2016 - 0 Comentários


A Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA) lamenta a morte do ator, diretor, artista plástico e militante do movimento negro Antônio Pompêo. Ele foi encontrado sem vida em casa, no bairro de Guaratiba, no Rio de Janeiro, e a causa da morte ainda não foi divulgada. O ator, que tinha 62 anos, tornou-se conhecido através de papéis marcantes como o de Zumbi, no filme “Quilombo” (1984), e por sua atuação em “Xica da Silva” (1976), ambos de Cacá Diegues, além de novelas como “Tenda dos milagres” (1985), da Rede Globo. A SecultBA transmite o seu pesar pelo acontecimento aos familiares e amigos.

Combativo, o ator nascido em 1953 na cidade de São José do Rio Pardo (SP), sempre se posicionou contra o preconceito. Foi presidente do Centro Brasileiro de Informação e Documentação do Artista Negro (Cidan) e diretor de Promoção, Estudos, Pesquisas e Divulgação da Cultura Afro-Brasileira da Fundação Palmares, ligada ao Ministério da Cultura. Foi um dos idealizadores do Projeto “A Cor da Cultura”, que se tornou material de apoio pedagógico em todo o território nacional para a formação de docentes e estudantes em História e Cultura afro-brasileiras. Na Bahia, Antônio Pompêo tinha um largo ciclo de amizade com pessoas e organizações ligadas ao campo da cultura, com destaque para os blocos afro, como o Olodum e o Ilê Aiyê.

Entre o fim dos anos 70 e começo dos 80, fez diversos filmes e, a partir daí, dedicou-se mais a trabalhos na televisão, só voltando ao cinema 17 anos depois, em “O Xangô de Baker Street” (2001), de Miguel Faria Jr. O ator estreou na TV com "A moreninha" (1975), da Rede Globo. Seu último trabalho na televisão foi “Balacobaco”, da Rede Record, em 2012. Ele fez papéis marcantes em "O Rei do Gado", "A viagem", "Pecado capital", "Mulheres de areia", "A casa das sete mulheres", "Pedra sobre pedra" e "Fera ferida".


Não se esqueça de ler isso também ...

Nenhum comentário:

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do Itiruçu Notícias; a responsabilidade é do autor da mensagem.

PARCEIROS



 photo GS-SOMgif_zpszfpbff8c.gif
 photo GS-SOMgif_zpszfpbff8c.gif



São Pedro 2018

Melhores momentos - Por Wilson Novaes