Mensagens mostram atuação de Geddel para OAS - Itiruçu Notícias
Arrow
Vídeo sobre a leucemina

Campanha Cores da Saúde



EDITORIAL

Opinião: O primeiro discurso da ministra do STF em 2018

Na sessão solene que marcou a abertura do Ano Judiciário de 2018, a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, disse na manhã desta quinta-feira, 1, que é ”inadmissível e inaceitável desacatar a Justiça” e que sem ”Justiça não há paz”. ”Pode-se ser favorável ou desfavorável à decisão judicial pela qual se aplica o direito. Pode-se buscar reformar a decisão judicial, pelos meios legais, pelos juízos competentes. É inadmissível e inaceitável desacatar a justiça, agravá-la ou agredi-la. Justiça individual fora do Direito não é justiça, senão vingança ou ato de força pessoal”, discursou Cármen. ”Sem liberdade, não há democracia. Sem responsabilidade, não há ordem. Sem justiça, não há paz”, completou a presidente do STF... CONTINUE LENDO

COLUNISTAS



Coluna Joselito Fróes: Êta lê lê! : O Bar São Jorge

Existem certas relíquias que o tempo faz questão de perpetuar. Passa-se o tempo e a suas lembranças continuam vivas em nossos corações...


MAIS LIDAS DO MÊS


Mensagens mostram atuação de Geddel para OAS

Por: Itiruçu Notícias - - quarta-feira, 20 de janeiro de 2016 - 0 Comentários


A Polícia Federal (PF) na Operação Lava Jato apreendeu mensagens  que comprometem o ex-vice-presidente da Caixa, ex-ministro e ex-deputado federal Geddel Vieira Lima (PMDB-BA)e presidente do PMDB na Bahia.
Segundo a mensagens Geddel, teria usado sua influência política para atuar em favor de interesses da construtora OAS dentro do banco público e também na Secretaria de Aviação Civil e junto à prefeitura de Salvador.

O relatório da PF ao qual a TV Globo e o G1 tiveram acesso mostra uma série de mensagens trocadas entre Geddel e o ex-presidente da OAS Léo Pinheiro entre 2012 e 2014. O material foi apreendido pela Polícia Federal no celular do empreiteiro. À época, Pinheiro ainda estava à frente da construtora.
O ex-dirigente da OAS já foi condenado pela Justiça Federal, em primeira instância, a 16 anos e quatro meses de prisão acusado de cometer os crimes de corrupção ativa, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Ele chegou a ser preso pela Lava Jato em novembro de 2014, mas, atualmente, está recorrendo da condenação em liberdade.

As mensagens apreendidas no celular de Léo Pinheiro também mostram que Geddel usou sua proximidade com o ex-presidente da OAS para solicitar doações eleitorais para ele próprio, na eleição de 2014, quando foi derrotado na disputa por uma cadeira no Senado e para candidatos do PMDB baiano.
Em sua pagina no Twitter Geddel  revelou que não ha nada que seja ilícito nas falas: "Não vou entrar nessa de manobra do governo, ou vazamento seletivo das minhas falas com Leo Pinheiro, estou pronto para discutir o mérito " conclui Geddel.


Não se esqueça de ler isso também ...

Nenhum comentário:

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do Itiruçu Notícias; a responsabilidade é do autor da mensagem.

PARCEIROS



 photo GS-SOMgif_zpszfpbff8c.gif
 photo GS-SOMgif_zpszfpbff8c.gif

ENQUETE
Você votaria em quem para presidente?

Álvaro Dias (Podemos)
Ciro Gomes (PDT)
Cristovam Buarque (PPS)
Eymael (PSDC)
Fernando Collor (PTC)
Geraldo Alckmin (PSDB)
Jair Bolsonaro (PSC-RJ)
João Amoêdo (Novo)
Levy Fidelix (PRTB)
Lula da Silva (PT)
Manuela D'Ávila (PC do B)
Marina Silva (Rede)
Valéria Monteiro (PMN)
Outro
Nenhum